Filha que manteve mãe em cárcere privado é transferida para Marabá e aguardará o julgamento presa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

“Graças a Deus a justiça começa a ser feita”. Essas foram as afirmações da delegada Ana Carolina, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), dando a notícia de que na audiência de custódia ,a prisão em flagrante feita contra Suzana Nascimento Rocha, foi convertida em prisão preventiva.

Trata-se da filha que manteve por mais de dois anos a própria mãe em cárcere privado conforme noticiado AQUI. Fato ocorrido em Parauapebas, sudeste do Pará, caso que causou comoção sendo mostrado em noticiários de visibilidade nacional.


Ainda conforme contado pela delegada, além da possibilidade de punição contra Suzana, há também boas notícias em favor da vítima, dona Maria de Fátima; um de seus filhos já chegou a Parauapebas com o interesse de leva-la para dela cuidar, devendo ter, oficialmente, a curatela da mesma.

Quem também poderá ter um final feliz é a filha de Suzana, a garota de 5 anos de idade, que, após a prisão da mãe está em abrigo público adequado para crianças. O tio da menina, que é irmão de Suzana, também poderá receber a guarda da criança para, então, passar a cuidar dela. “Não se tem histórico de que Suzana deixasse a desejar em seus deveres como mãe. Porém, como deverá passar um período específico na prisão, não terá condições de cuidar da filha”, explicou Ana Carolina, detalhando que, com a conversão da prisão em flagrante para prisão preventiva, Suzana deverá ser transferida para o presídio feminino na cidade de Marabá, a 160 quilômetros de Parauapebas, onde segue à disposição da justiça e, de acordo com o previsto em lei, responderá por cárcere privado, maus-tratos, abandono material, exposição da saúde a perigo dentre outros crimes.

Publicidade

veja também