Francisco Eloecio propõe construção de centros de atendimento psicossocial e sede própria do Conselho Tutelar II

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Vereador Francisco Eloecio (PRB)

Na sessão ordinária da Câmara Municipal desta terça-feira (1º), o vereador Francisco Eloecio (Republicanos) apresentou as indicações nº 329/2021 e nº 330/2021, sugerindo, respectivamente, que o governo municipal viabilize a construção de Centros de Atendimento Psicossociais de Álcool e Drogas (Capsad) e Infanto-Juvenil (Capsi); e da sede própria do Conselho Tutelar II.

Capsad/Capsi
Para esta demanda, o vereador informa que há um crescente número de casos voltados às enfermidades relacionadas para a saúde mental em Parauapebas. Diz que a dependência química e a depressão são só um dos problemas causados por conta da saúde mental de um indivíduo.
“Por isso, a criação de um Centro de Atendimento Psicossocial de Álcool e Drogas e de um Centro de Atendimento Psicossocial Infanto-Juvenil é uma iniciativa que dará maior prestação de serviços e auxílio à saúde das pessoas de uma forma ampla e renovadora”, assinala Francisco Eloecio.


Segundo ainda o legislador, o Capsad e o Capsi possuem suas distinções do Caps que todos conhecem, pois são específicos e tratam pessoas com transtornos, traumas mentais, vícios alcoólicos e dependentes químicos com uso de drogas lícitas pesadas, como tarja preta, e drogas ilícitas.

Para o vereador, a criação desses órgãos gerará emprego e renda para a cidade, contendo equipe mínima de 60 horas de profissionais médicos, entre psiquiatras e clínicos com formação e/ou experiência em saúde mental, sendo no mínimo um psiquiatra, um enfermeiro, cinco profissionais de nível universitário, quatro técnicos de enfermagem e cinco profissionais de nível médio.

Sede para Conselho Tutelar II
Neste pedido, o parlamentar explica que os membros do Conselho Tutelar II trabalham em um prédio alugado desde sua criação, no Bairro Vila Rica, situação que exige uma estrutura física própria, elaborada e adaptada para prestação de tal serviço público.

“Precisamos nos atentar aos números de casos atendidos. Na atual sede do Conselho Tutelar II chegam a ser registradas em torno de três ocorrências de abuso infantil por semana. Por conta desta triste realidade, os atendimentos precisam ser realizados com segurança e da melhor forma possível. Com a estrutura própria, o trabalho será mais eficaz para as crianças e adolescentes que necessitam de tal acompanhamento e auxílio dos servidores”, justifica Francisco Eloecio.

Depois de serem lidas em plenário, as duas indicações foram aprovadas pelos demais vereadores, e agora elas serão encaminhadas para serem avaliadas pelo governo municipal.

veja também