Publicidade

Indígenas voltam a protestar em Parauapebas

Melhorias nas estradas e a implantação do “Programa Vilas Online” voltaram à pauta dos indígenas das etnias Kayapó e Xikrin. Motivo que que trouxe membros das aldeias Djudjêkô, Cateté e Ô-ODjá a protestar pelas ruas da cidade de Parauapebas, no sudeste do Pará e também no Fórum do município.

O ato sucede a ocupação do prédio da Prefeitura de Parauapebas ocorrida no dia 9 de julho tendo sido mantida até a sexta-feira, 12; de onde saíram com a promessa de que tudo seria resolvido.


Desta vez, além das antigas pautas, os indígenas protestam contra a decisão da Vale que é a desativação da Casa de Apoio localizada próximo ao Núcleo de Carajás, interior da Floresta Nacional de Carajás (Flonaca).

De acordo com o professor indígena Bemoro Xikrin, a decisão da Vale desagrada, pois, vão ficar longe do Hospital Yutaka Takeda, onde os índios geralmente são atendidos. “Queremos continuar lá, pois, o hospital lá é melhor, e aqui teremos dificuldade para ser levado para lá quando o índio precisar”, explicou Bemoro.

O representante jurídico dos indígenas, advogado Diogo Lima, confirmou a insatisfação dos membros das aldeias. Segundo ele a Vale ajuizou, na justiça comum a reintegração da chácara onde está a Casa de Apoio. Ainda de acordo com o advogado, a reintegração foi pedida sob a alegação de que a mineradora fará reformas no local. “Porém, só a reforma não atende as necessidades das comunidades indígenas, além, de não ser suficiente para que a Vale cumpra as obrigações em decorrência da exploração mineral que ela faz no empreendimento Ferro Carajás”, explicou o advogado, dando conta de que além da reforma, é um dever da Vale a ampliação do espaço que recebe os indígenas.

 

Em nota, a Vale explicou que em nenhum momento se negou em fazer a reforma e a ampliação, mas, entende ser necessário a retirada dos índios do local. A recusa dos índios em deixar a área, segundo a nota da mineradora, tem dificultado a execução da obra.

Alegação contestada pelo advogado, afirmando que a Vale recusou, sim, em fazer a ampliação, dando por necessário apenas a reforma; o que não foi aceito pelos indígenas, sendo esse o objeto da reunião ocorrida na manhã desta quarta-feira, 16, no Fórum, em Parauapebas, onde tramita o pedido de reintegração da Chácara.

O prefeito Darci Lermen, participou da reunião e se posicionou em favor dos índios, detalhando que a prefeitura dá apoio às comunidades indígenas com serviços nas áreas da saúde, educação, assistência social, limpeza urbana, e ainda com recursos financeiros; já tendo cumprido a pauta apresentada no mês de julho, quando da ocupação da prefeitura. Um dos pontos de pautas cumprido, segundo o prefeito, foi a recuperação das estradas nas aldeias e a recuperação de 14 pontes já está em fase de conclusão.

O caso está sendo tratado na 3ª Vara Cível e Empresarial de Parauapebas, onde o Juiz Lauro Fontes Júnior pediu que o poder executivo mediasse as conversas que ocorreu entre os indígenas, Vale, ICMBio e a Justiça para que se chegue a um consenso para a reconstrução da Casa de Apoio. “Foi importante a conversa com o juiz no sentido de aproximar todos os envolvidos, já que todos querem o bem dos índios”, contou Darci, dando por certo que ficou marcada agenda para segunda-feira, 21, quando a conversa será retomada e que se possa achar a melhor saída baseada no diálogo com flexibilidade para se chegar ao entendimento.

Compartilhe essa notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Tags

Veja também

Fechar Menu