Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Moradores cobram ações para regularizar abastecimento de água no Complexo Tropical

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Eles participaram de uma reunião com a gestora do SAAEP

Com o objetivo de regularizar o abastecimento de água, moradores dos bairros Tropical 1, 2 e Ipiranga, reuniram-se na tarde da última quinta-feira (9), com a gestora do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (SAAEP) e parte de sua equipe em uma igreja Do complexo de bairros.


Há vários anos, o município de Parauapebas é abastecido por um sistema de rodízio, que consiste no fornecimento de água para os bairros em determinados períodos do dia, no complexo do Tropical não é diferente.

Na ocasião, foi feita uma apresentação do órgão e informado a atual situação do abastecimento de água na cidade, e principalmente no complexo, local que vem sendo prejudicado de longas datas com ausência do abastecimento regular.

“Viemos aqui para tirar dúvidas quanto às escalas do fornecimento de água e apresentar as nossas propostas de médio e longo prazo para resolver o problema de abastecimento”, explicou Claudenir Rocha, gestora do SAAEP.

Quando questionada, a responsável pela autarquia esclareceu sobre os impactos diretos do ramal ferroviários no que diz respeito ao abastecimento de água.
“Prejudica significativamente! Pelos estudos técnicos realizados é possível perceber a contribuição de água antes da implantação do ramal era uma. Depois do ramal a contribuição é totalmente deficiente e os impactos sentidos hoje desta forma com o comprometimento na captação da água”, afirma Claudenir.

Girlan Pereira – Líder comunitário

 

Para Girlan Pereira, presidente da Associação Central dos Moradores dos Bairros Jardim Ipiranga, Tropical 1 e 2 e Adjacências (A.C.M.B.JIT), a situação é bastante delicada e muitas vezes insustentável.
“É preciso entender a real situação que provoca essa falta de água. Ficamos muitas vezes uma semana sem água. Por isso, solicitamos esta reunião para entender o que está acontecendo. Queremos saber quais as medidas paliativas e definitivas para esta situação que está trazendo muitos transtornos para comunidade”, relata Girlan.

Reportagem: Anne Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

 

 

 

Publicidade

Veja
Também