Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

MST ocupa Estrada de Ferro Carajás em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Trabalhadores Rurais Sem Terra ligados ao MST continuam acampados no município de Parauapebas e na noite de ontem, terça-feira, 4, interditaram a EFC (Estrada de Ferro Carajás), impossibilitando o trânsito de trens de carga e de passageiros.

Quem recebeu mais uma vez a equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar foi um dos coordenadores do MST, Pablo Santiago, afirmando que enquanto o Governo não responder às reivindicações apresentadas, a estrada de ferro continuará ocupada por tempo indeterminado.


No local continua um clima pacífico e até agora nem Vale ou Governo Federal se manifestaram sobre o caso; e a Polícia Militar não está no local, porém as reivindicações continuam a espera de respostas.

Veja as reivindicações dos membros do MST:

Assentamento imediato de todas as famílias acampadas, tendo como Plano de Meta assentar pelo menos 50 mil famílias ente 2016/2018;

Imediata desburocratização do acesso a créditos;

Garantia da universalização de programas de desenvolvimento a todos os assentamentos através de suas organizações;

Fortalecimento do Programa Nacional de Educação da Reforma Agrária;

Construção imediata de 300 novas escolas de área der Reforma Agrária, 100 centros de educação infantil, e a garantia de 30 Institutos Federais dentro das áreas de assentamento;

Para a mineradora se posicionar sobre o assunto, a equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar entrou em contato com a Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Vale, veja a nota enviada à reportagem:

Sobre interdição da EFC pelo MST em Parauapebas

A Vale informa que a Estrada de Ferro Carajás (EFC) foi invadida na madrugada desta quarta-feira, 5/8, em trecho do município de Parauapebas (PA), por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que estavam acampados às proximidades da ferrovia desde a última segunda-feira, 3/8. Eles atearam fogo em madeira sobre os trilhos, com isso, impedindo o tráfego de trens, prejudicando as atividades de transporte de passageiros (que beneficia cerca de 1.300 passageiros por dia nos estados do Pará e Maranhão), de minérios, carga geral e de combustíveis para a região.

Além do crime de invasão (esbulho) de propriedade privada e do risco de desastre ferroviário previstos no Código Penal, os manifestantes incorreram em desobediência à ordem judicial concedida pela Justiça Estadual de Parauapebas, que determinou a imediata reintegração do trecho da Estrada de Ferro Carajás invadido, com imposição de multa diária de 50 mil reais para cada invasor. A decisão de reintegração será cumprida pelos Oficiais de Justiça com apoio da Polícia Militar.

A Vale informa, ainda, que ajuizará ações criminais contra os líderes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra e todos aqueles que estiverem invadindo a Estrada de Ferro Carajás, visando a responsabilização pelos crimes praticados e buscará o reparo dos danos causados pelos manifestantes durante a obstrução da ferrovia.

A Vale reforça que cumpre com todas as suas obrigações legais, ambientais, tributárias e esclarece que todos os imóveis com reservas minerais, compensação ambiental ou para apoio à atividade de mineração não se prestam às atividades de agricultura e nem para fins de reforma agrária, inclusive por imposição de lei.

Sobre o Trem de Passageiros

Devido a interdição na EFC, o Trem de Passageiros não circulará nesta quinta e sexta ( 6 e 7/8). Os passageiros que já haviam comprado seus bilhetes podem ir às Estações de Passageiros para realizar remarcação ou solicitar reembolso a partir de segunda-feira, 10 de agosto. Mais informações podem ser obtidas pelo Alô Ferrovias: 0800 285 7000.

Sobre a Vale

A Vale ressalta que as atividades realizadas ao longo de 30 anos no Pará contribuem de forma decisiva para o desenvolvimento socioeconômico do Estado. Os municípios onde a empresa opera apresentam crescimento e se desenvolvem impulsionados pela mineração, atraindo novos empreendimentos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), a balança mineral do Pará registou, em 2014, saldo de mais de US$ 9 bilhões. As exportações de bens minerais representaram 70,6% do total exportado pelo Estado, somente no ano passado. O Pará contribui com cerca de 37% para o saldo Brasil do setor mineral e ocupa o 2º lugar em arrecadação da CFEM (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais). Além disso, os principais municípios onde a empresa está presente estão entre os três maiores arrecadadores da CFEM: Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá. O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), equivalente ao IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da ONU, revela que os municípios mineradores ocupam as dez primeiras colocações no Pará, comprovando a contribuição da atividade para o desenvolvimento socioeconômico local.

Reportagem e foto: Francesco costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também