Pará volta a ter assento no Conselho Nacional de Mineração da CNI

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O presidente do Sindicato das Indústrias Minerais do Pará (Simineral), Anderson Baranov, foi indicado para um assento no Conselho de Mineração (Comin) da Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Conselho reúne os principais executivos do setor mineral brasileiro para identificar oportunidades para melhorar o ambiente de negócios que afeta o desenvolvimento do setor de mineração e sua cadeia produtiva; discutir e elaborar propostas de políticas para promover o desenvolvimento produtivo do setor de mineração; e promover o alinhamento e a articulação das entidades ligadas ao setor de mineração, visando a defesa de interesses do setor.

Baranov substitui o ex-presidente do Simineral, José Fernando Gomes Júnior que, desde meados de abril, passou a ser o titular da Secretaria de Desenvolvimento Mineração e Energia (Sedeme) do Governo do Pará.


De acordo com os dados do último boletim econômico do setor mineral, referente ao primeiro quadrimestre de 2021, o Pará ocupa o primeiro lugar no ranking das exportações minerais do Brasil. A participação paraense é de 36% do total das exportações minerais e comparado aos outros estados foi o que teve o melhor desempenho. As 57 milhões de toneladas exportadas equivaleram ao montante de US$ 8,151 bilhões. Em seguida, aparecem os estados de Minas Gerais com participação de 31%; Espirito Santo com 7%; São Paulo com 5%; e Rio de Janeiro com 4%. Os demais estados da federação, juntos, somam a participação de 17%.

Para Anderson Baranov, Presidente do Simineral, e agora membro do Comin, a nomeação é oportuna porque “o Pará, sendo o principal exportador de minérios do Brasil, merece ter voz no Conselho Nacional de Mineração”, diz. “Fiquei muito feliz e honrado de aceitar esse convite para integrar esse seleto grupo que pensa, propõe e discute soluções importantes para esse setor que emprega tantos paraenses e que é um dos responsáveis pelo crescimento da economia no Pará, ano a ano.”, encerra.

veja também