Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Parada Gay de Parauapebas abordará direitos dos trans

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em sua 12ª edição em Parauapebas, a Parada do Orgulho Gay promete ser inovadora. Realizada pelo Instituto Abrace a Diversidade (IAD), a Parada Gay será muito mais que festa. Segundo a diretora do IAD, Cristina Carmona, serão mantidos os shows e demais atrações costumeiras, mas nos quatro dias que antecedem a festa, ocorrerão seminários e oficinas, dando prioridades às temáticas que envolvam os trans, falando dos direitos adquiridos.

“Traremos palestrantes para tratar do tema; além da OAB para falar dos direitos, fazendo da Parada, um momento de aprendizado”, planeja Carmona, dando conta de que os trans em 2017 foram o “grande boom” da mídia brasileira e mesmo assim, segundo ela, muitas pessoas não entendem o que é este fenômeno.


Os seminários, conforme explicado por Cris, não serão apenas para as comunidades LGBTI, mas para toda a sociedade, com a intenção de que todos tirem suas dúvidas, entendam e possam respeitar o gênero de cada um. “As pessoas da comunidade LGBTI já sabem bastante do assunto, portanto, é a sociedade quem precisa entender a nossa forma de vida, imagem e o respeito que deve ter conosco”, orienta Carmona, qualificando a comunidade LGBTI como uma população que merece respeito como cidadãos.

Os assuntos também antes abordados na Parada do Orgulho Gay, segundo Carmona, não são mais apenas de prevenção às DST’s – Doenças Sexualmente Transmissíveis, já que o público LGBTI já é um dos mais bem orientados a respeito deste tema, sendo inclusive propagador dele. Porém a Noite da Pré-Parada será mantida, sendo um momento de recepção para os que chegam de outros municípios para participar da festa, devendo ocorrer, como tradicionalmente, no sábado, véspera do dia da Parada que deverá ocorrer no segundo domingo de agosto, dia 12. Os shows de Drag Queens de Parauapebas e municípios participantes também ocorrerão, além de toda a programação cultural. “A festa é para todos, pois além da comunidade LGBTI, toda a sociedade participa e todos os segmentos comerciais saem ganhando, pois os que vêm de outros municípios se hospedam em hotéis, consomem em restaurantes e não deixam de comprar diversas outras coisas no comércio local”, enfatiza Carmona.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também