Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

PEDRA BRANCA: Veja cronograma e conheça detalhes técnicos do projeto que vai movimentar o Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O projeto Pedra Branca, da multinacional australiana Avanco Resources, vai explorar minérios de cobre, ouro e prata num área pretendida de 3.195,07 hectares (ou quase 32 quilômetros quadrados), o equivalente à área urbana da cidade de Parauapebas. Essa extensão territorial corta parte dos municípios de Água Azul do Norte (maior parte) e Canaã dos Carajás.

Segundo a Avanco, o plano de produção da mina prevê vida útil de 13 anos a partir do início do tratamento do minério. No tocante à operação, o início da produção será com 661 mil toneladas (t) de minério extraídas por ano, chegando-se a 1,7 milhão de toneladas (Mt) por ano, no sexto ano. Serão lavrados, ao todo, 16,24 Mt de minério, recuperando-se 1,03 Mt de concentrado de cobre com teor médio de 30%, além de 216,6 mil onças troy de ouro e 31,1 mil onças troy de prata.


A implantação do Pedra Branca está prevista para ocorrer em 17 meses, a partir da obtenção da Licença de Instalação (LI), considerando o deferimento da viabilidade ambiental do projeto, expressa na Licença Prévia (LP).
De acordo com a Avanco, com base nas características do corpo mineralizado e do maciço rochoso encaixante, o método de lavra mais adequado será o “Sublevel Stoping” com pós-enchimento. A lavra de minérios terá início pelo corpo mineralizado Pedra Branca Leste (teor de cobre médio de 2,31%) e no terceiro ano inicia-se a lavra no corpo mineralizado Pedra Branca Oeste (teor de cobre médio de 1,71%). A produção das duas minas será blendada.

Ainda segundo a multinacional, testes metalúrgicos realizados apontam que os tipos de minério e mineralogias existentes no alvo podem ser tratados via flotação. O minério é similar ao produzido na mina de Sossego (da empresa Vale, em Canaã dos Carajás) e Antas (da própria Avanco, em Curionópolis). Neste dois, a flotação é empregada com altos níveis de recuperação. As excepcionais qualidade e natureza das mineralizações de cobre e ouro apontam para um método de processamento relativamente simples, com baixos investimento e custos operacionais.

O mineral portador de cobre, ouro e prata é quase exclusivamente a calcopirita. No maciço de minério sulfetado, há inclusos pequenos níveis de pirita e pirrotita que não podem ser recuperados conjuntamente por baixar muito o teor de concentrado de cobre.

Fonte: Assopem

Publicidade

Veja
Também