Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Prefeitura de Parauapebas inicia o mês de novembro com mais de R$ 16 milhões na conta

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Caiu na conta das prefeituras a cota-parte da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) ou, vulgarmente, royalty de mineração. É um dinheirinho que enche de alegria o coração de gestores aflitos e esbanjadores, especialmente em fim de ano, em final de mandato.

As fortes emoções da exploração de minérios realizada em setembro lançaram para pagamento nesta sexta-feira (4), R$ 16,21 milhões à conta da Prefeitura de Parauapebas; R$ 3,75 milhões à conta da Prefeitura de Marabá; R$ 1,89 milhão à conta da Prefeitura de Canaã dos Carajás; e R$ 627 mi à Prefeitura de Curionópolis.


Para lamento dos prefeitos, infelizmente eles ainda não arranjaram um jeitinho brasileiro de receber décimo terceiro em Cfem, mas, se serve de consolo, de hoje a um mês ainda cairá a última compensação do ano. Ou seja: o Natal vai ser gordo, não adianta conversa fiada.

Este ano, Parauapebas já recebeu R$ 168,96 milhões em royalties; Marabá viu florescer R$ 42,54 milhões na conta; Canaã abocanhou R$ 17,95 milhões; e Curionópolis passou a mão em R$ 4,6 milhões. Os dados podem ser acessados na página do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) ou no portal do Banco do Brasil, na conta de governo pública que cada prefeitura mantém.

Quem quiser mais informações sobre como essa dinheirama toda tem sido gasta, favor dirigir-se ao prédio da prefeitura mais próximo e tente marcar uma audiência com o chefe do Executivo de seu município porque ele tem obrigação — ao menos em tese — de dizer o que tem sido feito com tantos milhões, que é dinheiro público. Agora, se o chefe do Executivo terá condições morais e psicológicas para dizê-lo, aí já são outros quinhentos.

Reportagem: André Santos / Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também