Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Prefeituras da região vivem pela ‘misericórdia’ no apagar das luzes de Natal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Acabou-se o que era doce. O período da farra com dinheiro público — mal aproveitado, diga-se de passagem — em que muitas prefeituras da região viviam, com pico entre 2012 e 2014, está chegando ao fim, e da pior forma possível, com administrações atoladas em dívidas e enfrentando a fúria de servidores, que se veem apreensivos diante da possibilidade de não receberem décimo terceiro às vésperas do Natal.

Faltando menos de um mês para o catastroficamente financeiro ano das prefeituras acabar, prefeitos agonizam para arrecadar os “mirréis” e tentar salvar o pouco de dignidade administrativa que ainda resta — se resta. Entre o que as prefeituras previram ou acharam que iriam abocanhar e o que, de fato, caiu na conta, há um déficit enorme, de muitos milhões.


Ao analisar os caixas de Marabá, Parauapebas, Canaã dos Carajás e Curionópolis, municípios cuproferríferos (detentores de cobre e ou minério de ferro) nos quais, na média, a mineradora Vale viabiliza, direta ou indiretamente, 52% das receitas, é possível notar que, se e quando um dia a indústria extrativa mineral findar seu ciclo, metade dessas prefeituras vai fechar as portas.

A mineração faz movimentar e girar fontes de arrecadação importantes, como a cota-parte do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a cota-parte da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) e o Imposto Sobre Serviço (ISS) de qualquer natureza, todos eles sustentáculos das prefeituras e sem os quais Parauapebas e Canaã, por exemplo, dificilmente ostentariam a repercussão de contratos milionários tampouco seriam alvo de cobiça de políticos e politiqueiros.

Informações levantadas e cruzadas a partir de diversas fontes — como Portal da Transparência, Banco do Brasil, Governo do Pará, Secretaria do Tesouro Nacional (STN), Banco Central, Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e Confederação Nacional dos Municípios (CNM) — revelam que o que está ruim nos “finalmente” de 2016 tende a ser muito pior para as mesmas prefeituras em 2017.

A população dos municípios de Carajás precisa começar a se preparar psicologicamente para tempos apocalípticos, de choro e ranger de dentes, com fome, peste e uma guerra cruel diária para manter emprego e renda num cenário que, de acordo com a CNM, tarda, mas não falha no próximo ano. Baixar a cabeça jamais.

Reportagem: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também