Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Produção agrícola de Parauapebas tomba quase 30% em 2015, diz IBGE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em tempos de caça desesperada por novas alternativas econômicas que sejam eficazes para sustentar a economia de Parauapebas e capazes de resgatar o município das amarras da mineração, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) solta uma bomba: a produção agrícola de Parauapebas corre ladeira abaixo e encolheu 28,8%, de um ano para outro, quando o ideal e minimamente razoável seria crescer.

A constatação foi divulgada pelo instituto na manhã desta sexta-feira (23) por meio da “Pesquisa Agrícola Municipal 2015”, em que o IBGE detalha a produção de lavouras temporárias e permanentes informadas pela órgão municipal responsável pela agricultura local. Os dados são públicos e podem ser consultados na página <http://ibge.gov.br/…/estatis…/economia/pam/2015/default.shtm>.


De 2014 para 2015, Parauapebas sofreu um duro golpe de R$ 28,1 milhões nas culturas agrícolas temporárias, as mais rentáveis do município, uma vez que o valor final de sua produção despencou de R$ 77,6 milhões em 2014 para R$ 49,5 milhões em 2015. É o pior desempenho do município desde que os dados da pesquisa começaram a ser divulgados. O valor da produção das culturas permanentes também diminuiu: passou de R$ 28 milhões para R$ 25,7 milhões – um desempenho medíocre e, igualmente, o pior da série. O rombo no campo nos últimos dois anos totaliza impressionantes R$ 30,4 milhões, o que inviabiliza qualquer tomada de atitude para transformar Parauapebas num celeiro agrícola.

Em praticamente todas as plantações houve redução do valor final, conforme o IBGE. Porém, as produções de mandioca (de R$ 57,6 milhões para R$ 34,6 milhões), milho (R$ 5,1 milhões para R$ 4,6 milhões), tomate (de R$ 2,7 milhões para R$ 2,3 milhões) e feijão (R$ de 2,33 milhões para R$ 1,92 milhões) foram as que apresentaram os piores desempenhos. Em outros lugares do Pará, pelo contrário, o rendimento e o valor final dessas culturas até aumentaram.

Reportagem: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também