Single Posts
Confirmados
26.267
Single Posts
Recuperados
15.327
Single Posts
Óbitos
177

 Publicidade

Programa Horta Comunitária recebe primeiros participantes no Bairro dos Minérios

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os esforços continuam para dar início à Horta Comunitária no Bairro dos Minérios, onde, em uma área de aproximadamente um hectare, moradores daquela localidade, que se interessarem, poderão cultivar diversas plantas, entre elas: pimentas, quiabo, jiló, tomate, pepino, abóboras, maxixe, couve, alface, coentro, cebola etc.

O projeto é uma iniciativa da SEHAB (Secretaria Municipal de Habitação de Parauapebas) com apoio técnico da SEMPROR (Secretaria Municipal de Produção Rural), que deve ser desenvolvido pela comunidade com o apoio do governo municipal. “Este projeto não é meu, nem do governo, mas de vocês que o farão acontecer. Apenas estamos dando o suporte necessário para incentiva-los”, afirmou o secretário municipal de Habitação, Crhistian Miranda, quando esteve no local, na tarde de segunda-feira, 23, reunido com alguns que manifestaram o desejo de ser inserido no projeto.


Programa Horta Comunitária recebe primeiros participantes no Bairro dos Minérios
Crhistian Miranda – Secretário Municipal de Habitação

 

A área já está toda cercada e tem uma casa que dará base administrativa para o projeto que, a partir de hoje, terça-feira, 24, já está em pleno funcionamento, recebendo os interessados a cultivar a área, além de organizar os itens necessários para o funcionamento. Porém, o item mais importante, Crhistian Miranda deixou claro ser indispensável: “O desejo dos participantes do projeto”.

Quanto a isto o secretário explicou que serão as pessoas, e não o governo, que farão acontecer o projeto; demonstrando interesse e “colocando a mão na terra”. E ainda segundo Crhistian Miranda, serão esses mesmos interessados quem lucrarão os benefícios de uma alimentação melhor e de melhoria no orçamento, pois toda a produção será comercializada e rateada entre os participantes. “Por isto, é preciso se organizar, pois não se trata apenas de cultivo, mas de uma organização de pessoas, além do planejamento administrativo e financeiro, para que, além de frutas, verduras e legumes, colhamos lucros dentro da união cooperada”, orienta Crhistian Miranda.

Ainda é considerado pequeno o número de cadastrados para participar do projeto, podendo ainda ser inseridos outros, que deverão procurar o Centro Comunitário daquele bairro.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também