Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Recém-nascido precisa de auxílio para fazer tratamento de doença

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Kael de Menezes Lira nasceu no dia 27 de março, de parto cesariano, aparentemente normal, graças ao pré-natal que sua mãe, Raquel da Silva de Menezes fez corretamente, exceto a ultrassonografia morfológica; e seria exatamente este exame que teria detectado uma má formação no intestino de seu filho.

Tão logo nasceu e mamou, Kael vomitou o leite materno e continuou assim nos dias que estava internado no Hospital Geral de Parauapebas (HGP), unidade de saúde onde nascera, período em que se notou a ineficiência intestinal da criança.


Porém segundo o pai de Kael, Elizeu Lima e Lira, foi preciso a intervenção do Ministério Público (MP), para transferir o garoto para o Hospital Regional de Marabá, onde profissionais especializados fizeram nele uma intervenção cirúrgica que o colocou na condição de colostomizado desde o 10º dia de vida para correção de Megacólon Congênito.

O ato médico é paliativo e Kael precisa continuar os tratamentos para descobrir o que realmente não funciona em seu intestino, que o impede de digerir o alimento que, tão logo ingere, é expelido em forma de fezes na bolsa de colostomia.

A equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar esteve na casa da família e viu a situação em que vivem, sem condições para continuar o tratamento do garoto, já que o pai, pedreiro, não pode mais ter emprego fixo, por necessitar tomar providências em prol da saúde do filho. “Tenho que ir ao Ministério Público, Secretaria de Assistência Social e diversos outros lugares para recorrer a auxílio para resolver esta situação, e isto não tem me permitido trabalhar”, relata Elizeu, contando que faz bicos em sua profissão para garantir a alimentação da família.

O tratamento precisa ser buscado em outras cidades, uma das opções é Goiânia, capital de Goiás, onde Elizeu diz ter que ficar por longo período, pois é um tratamento demorado, mas ele nem seus parentes tem condições financeiras para arcar com as despesas do filho, por isso, a solução encontrada para auxiliar esta família é pedir à população de boa vontade que queira e possa fazer doações em dinheiro ou até mesmo em alimentação.

 

Ajude a família

Quem quiser visitar a família e conferir a situação mostrada nesta matéria, pode ira até a Rua 110; Quadra 815; Lote 10; na 8ª etapa do bairro Nova Carajás. Ou fazer contato pelo telefone: (94) 99100-8619.

Doações podem ser feitas na seguinte conta bancária:

Agência Bradesco: 1388-9
Conta Poupança: 470-7
Titular: Elizeu Lima e Lira

Agravante

Devido ao período de internação de Kael, sem mamar na mãe, o leite secou e, devido sua condição intestinal, não pode usar leite comum, tendo que comprar outro de preço bem mais caro. E devido a situação financeira da família, isto tem dificultado.

O que é megacólon?

O megacólon é uma dilatação e alongamento anormais do intestino grosso, congênito ou adquirido, frequentemente associado à presença de obstruções intestinais. O megacólon congênito é também conhecido como doença de Hirschsprung, nome dado em homenagem ao médico dinamarquês Harald Hirschsprung, que foi quem primeiro a descreveu em 1886.

Quais são as causas do megacólon?

No megacólon congênito, presente desde o nascimento, ocorre um defeito genético em que partes do intestino grosso não recebem as terminações nervosas que controlam as contrações intestinais. Como consequência, os movimentos peristálticos não se dão e as fezes ficam retidas no intestino, ao invés de se encaminharem em direção ao ânus.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também