Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Ritmo de vendas no Pará cai outra vez, aponta estudo do IBGE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O comércio varejista do Pará voltou a apresentar em junho de 2016 queda no ritmo de vendas. Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o índice do volume de vendas dos estabelecimentos comerciais de varejo paraense na mensuração restrita no Estado – que não considera os ramos de veículos, motos e material de construção –, caiu 0,6% na passagem de maio para junho deste ano, mantendo a variação negativa do mês anterior (-5%). A última alta, foi registrada em abril, quando a variação mensal foi de 1,3%.

No geral, 13 das 27 unidades da federação assinalaram recuo na vendas em junho sobre maio de 2016, na série com ajuste sazonal. O Pará apresentou o nono pior resultado, sendo superado pela Paraíba (-2,0%), Tocantins (-1,4%), Rio de Janeiro (-1,4%), Santa Catarina (-1,2%), Piauí (-1,1%), Rio Grande do Norte (-1,0%), Paraná (-0,9%) e Acre (-0,7%). Por outro lado, Roraima, com variação de 7,4%, registrou o maior avanço no volume de vendas, seguido por Pernambuco (2,3%) e Rondônia (2,0%). Em todo o País, a variação mensal mostrou relativa estabilidade nas vendas no varejo: 0,1%.


Na comparação com junho de 2015, a redução do volume de vendas no varejo só não alcançou Roraima, que fechou com índice de 0,4%. Os destaques, em termos de magnitude de taxa, foram: Amapá (-19,1%), Sergipe (-15,0%) e o Pará (-13,4%). Quanto à participação na composição da taxa do comércio varejista, destaca-se, pela ordem: Rio de Janeiro (-9,5%), seguido por São Paulo (-1,7%).

O desempenho acumulado das vendas no varejo do Pará, nos últimos 12 meses (de junho de 2015 a junho desse ano), fechou em queda de 9,2% em relação ao mesmo período do ano passado. É o pior índice desde o início da pesquisa, há 15 anos, e acima da média nacional no período, de recuo de 6,7%. Nos seis primeiros meses de 2016, o Estado contabiliza redução de 11%, enquanto a perda nacional foi de 7%.

Já o comércio varejista ampliado, que inclui o varejo e as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, a variação de junho no Pará sobre o mesmo mês do ano anterior foi negativa, de 14,5% para volume de vendas. Com mais esse resultado negativo, o ano já contabiliza perdas de 12,8% e nos 12 meses de decréscimo de 11,8%. No País, os recuos respectivos são de 8,4%, 9,3% e 10,1%.

A receita nominal das vendas do Estado em junho passado registrou queda de 1,6% na análise comparativa com o mesmo mês de 2015.

Publicidade

Veja
Também