Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

SAAEP realiza obra de captação de água desperdiçada no Ramal Ferroviário da Vale

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O desabastecimento de água nos bairros Tropical e Ipiranga em Parauapebas se agravou em 2015 após o início da obra do ramal ferroviário. A ferrovia tem 101 km de extensão compreendendo o trecho onde se liga com o projeto S11D no município de Canaã dos Carajás, maior complexo de mineração da empresa Vale.

Para construir o ramal ferroviário foram necessárias denotações de rochas e seus impactos teriam danificado inúmeras residências nas proximidades. A suspeita é de que a obra tenha interferido também no mecanismo de captação de água do reservatório que atendia aos bairros, mas que com a obra, secou completamente. A mineradora Vale, por outro lado, nega que tenha havido o impacto ambiental em decorrência da obra.


A equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar esteve nas proximidades de alguns pontos da obra do Ramal Ferroviário em Parauapebas e viu vários focos de nascentes de água considerada de boa qualidade. Para aproveitar a água desperdiçada, o SAAEP (Serviço Autônomo Água e Esgoto de Parauapebas), está realizando uma obra de captação para não desperdiçar o líquido preciso.

De acordo com o diretor do SAAEP, Wanterlor Bandeira, já foi feita uma análise da água comprovando a qualidade compatível para o consumo. De acordo com ele, não existe um laudo que comprove, mas admite que a ferrovia pode ter gerado o impacto no reservatório. “Não podemos provar, não quero acusar a empresa Vale, mas suspeitamos que a ferrovia tenha contribuído para secar o reservatório”, disse.

Com os trabalhos do SAAEP no local, a expectativa é que o reservatório possa ser usado novamente para atender a milhares de famílias, que atualmente dependem exclusivamente do abastecimento feito por caminhões pipas.

Porém, para Wanterlor Bandeira, o SAAEP só poderá realmente sanar a falta de água a longo prazo, quando o órgão passar a ser administrado pela iniciativa privada. A instituição acumula um prejuízo milionário de consumidores inadimplentes, principalmente empresas, que caso houvesse o pagamento, para o diretor, daria para fazer investimentos.

A obra do ramal ferroviário é objeto de denúncia no Ministério Público Estadual (MPPA) desde 2015, o órgão disse que produziria um laudo técnico para comprovar se há impactos ambientais que expliquem a falta de água.

Reportagem: Jéssica Diniz / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também