Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

SALDO COMERCIAL: Parauapebas é o número 1 do Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Saiu na tarde da última quinta-feira (6) o resultado da Balança Comercial por Município referente ao mês de setembro. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Como a reportagem do Portal Pebinha de Açúcar havia antecipado, o desempenho de Parauapebas no mês passado foi recorde, em termos de produção física.
A “Capital do Minério” exportou 13,59 milhões de toneladas de commodities, mas foi a mineradora multinacional Vale quem faturou 507,5 milhões de dólares como resultado dessas exportações. Parauapebas chupou o dedo, como sempre.


De janeiro a setembro deste ano, a Vale retirou 103,4 milhões de toneladas de minério de ferro. Para se ter ideia, do ano passado para cá, a empresa aumentou em 19,8% sua produção por aqui. No mesmo período de 2015, a Vale tinha extraído no município 86,3 milhões de toneladas de minério de ferro.
Este ano, em nove meses, a multinacional retirou em ferro praticamente a mesma tonelagem que lavrou durante o ano inteiro de 2013 – 104,89 milhões de toneladas.

Pelo brilhante desempenho nas estatísticas do MDIC, Parauapebas subiu de quinto para quarto maior exportador do Brasil, a um passo de derrubar o terceiro colocado, São José dos Campos (SP). A “Capital do Minério” exportou este ano 3,2 bilhões de dólares.
Seu lucro, porém, é o maior da nação: 3,14 bilhões – e é exatamente isso que importa para um Brasil em crise e, especialmente, para a Vale: apresentar superávit. Nesse quesito, Parauapebas é imbatível e continua, disparadamente, o melhor negócio do país, com quase um bilhão de dólares em lucro à frente do segundo colocado, Santos (SP).
Barcarena, com 1,16 bilhão de dólares de lucro, e Marabá, com 698 milhões de dólares, também estão entre os 20 municípios brasileiros que mais contribuem para manter o Brasil de pé na Balança Comercial. É um fardo pesado para localidades que vivem basicamente da exportação de produtos primários.

Reportagem: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também