Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Servidores em greve interrompem sessão na Câmara de vereadores

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os trabalhadores ligados ao Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública (SINTESP) e ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública (SINTEPP) foram à Câmara de Vereadores com nariz de palhaço, faixas e vários apitos com o intuito de pressionar os parlamentares para que os mesmos dessem apoio à greve dos servidores públicos em relação ao impasse da categoria com a Prefeitura de Parauapebas que tem como gestor o senhor Valmir Mariano (PSD).


Na oportunidade, o presidente da Câmara de Vereadores, Josineto Feitosa (PSDC) cedeu o microfone da Casa de Leis para que as duas representantes dos sindicatos que lideram a greve pudessem expor suas idéias aos parlamentares e público em geral por cinco minutos cada.

Ao usar o microfone, Luciene Salles, Coordenadora do SINTEPP, afirmou que os servidores públicos estão sendo desrespeitados pela administração de Valmir Mariano. “Infelizmente o Governo da Mudança não mudou nada. Fizemos todos os estudos necessários em relação ao reajuste salarial que estamos tentando negociar e esse papo da Prefeitura de que não tem dinheiro em caixa é mentira. A greve é constitucional e nos juntamos para vir até a Câmara de Vereadores pedir resposta dos nossos vereadores, e se não conseguirmos aqui, iremos reivindicar nossos direitos em Brasília. O povo elegeu esse governo, mas já se arrependeu”, destacou Luciene.

Por sua vez, Gleiciane, representante do SINTESP, afirmou que o atual Secretário de Educação Rômulo Pereira Maia está se fazendo de desentendido. “Estamos em greve há oito dias e o senhor Secretário de Saúde veio falar para a gente que não estava sabendo da greve”, afirmou Gleiciane, que no final de suas palavras culpou o prefeito Valmir Mariano pela greve dos servidores públicos.

Única pauta do dia
Como as indicações e requerimentos foram tirados da pauta pelos vereadores, apenas o Projeto de Lei que autoriza o crédito adicional especial foi aprovado em segunda discussão pelos edis. A suplementação de R$ 1 milhão e 600 mil reais é destinada à despesas de Organizações não Governamentais de Assistência Social de Parauapebas.
O Projeto de Lei 006/2013 foi encaminhado ao Legislativo pelo poder Executivo.

Publicidade

Veja
Também