Sindicato dos Jornalistas do Pará repudia violência policial contra repórter no Rosenão

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A confusão aconteceu no Estádio Rosenão, em Parauapebas. Confira na íntegra a nota divulgada pelo SINJOR-PA:

“O Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará (Sinjor-PA) vem a público repudiar e denunciar às autoridades de Segurança Pública a maneira com que militares do Corpo de Bombeiros Militar trataram o repórter cinematográfico, Hélio Furtado, da TV Cultura, durante transmissão ao vivo do jogo entre Paysandu e Parauapebas, no Campeonato Paraense de Futebol (Parazão), no último domingo (20), no município de Parauapebas. Eles chegaram ao cúmulo de chamar policiais da Rotam para retirar a equipe de reportagem do local, ocasião, em que Hélio Furtado foi até algemado e só foi solto a pedido de um provável oficial superior que observava a cena de longe.
Segundo Hélio Furtado, o estádio de Parauapebas não oferece condições de trabalho para os jornalistas, principalmente repórteres cinematográficos, por isso, desde 2014, as equipes da TV Cultura, instalam-se na marquise sobre a cabine, sempre com a permissão do Corpo de Bombeiros. No entanto, dessa vez, a equipe do Corpo de Bombeiros chegou atrasada ao estádio e os jornalistas já estavam instalados no local de sempre. Os militares, então, pediram que eles se retirassem, mas a equipe explicou que não poderia fazer aquilo naquele momento por causa da transmissão ao vivo. Porém, no intervalo, os militares insistiram para que a equipe saísse e os jornalistas tentaram negociar para não haver prejuízo à transmissão. Sem acordo, os bombeiros chamaram policiais da Rotam, que tomaram essa atitude de violência contra o jornalista no exercício profissional.
Diante dos fatos, o Sinjor-PA enviará ofício ao secretário de Estado de Segurança Pública , Jeannot Jansen; e ao comandante geral da Polícia Militar, Roberto Luiz de Freitas Campos; para pedir que o caso seja apurado, pois há duas semanas, a presidente do Sinjor-PA, Roberta Vilanova, esteve em audiência com essas autoridades estaduais, que se colocaram à disposição para investigar casos de violência contra jornalistas, que tenham o envolvimento de policiais militares. Enviará, ainda, ofício ao comandante do Corpo de Bombeiros Militar, Coronel QOBM Zanelli Nascimento, para que também apure o fato com rigor.
Além disso, o Sinjor-PA coloca sua Assessoria Jurídica à disposição de Hélio Furtado para que receba toda orientação necessária que o caso requer.
É importante ressaltar que o Relatório de Violência contra Jornalistas de 2015, os policiais militares, juntamente com os policiais legislativos são os principais agressores de jornalistas, com 20,44% dos casos de um total de 137 casos registrados em 2015 no Brasil”.


Publicidade

veja também