Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Sinseppar elabora mandado de segurança contra Secretaria de Saúde por descontos na folha de servidores

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Sindicato dos Servidores Públicos de Parauapebas (Sinseppar) pretende entrar com um Mandado de Segurança contra da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), caso a administração municipal não estabeleça um calendário para realizar o pagamento dos descontos feitos na folha de pagamento dos servidores públicos que trabalham para a pasta.

Na última terça-feira (29), por volta das 10h30, ao ter conhecimento de descontos, ao receber seus salários, centenas de servidores fecharam todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município e se dirigiram para a sede da Secretaria Municipal de Saúde, no bairro Cidade Nova. No local, conversaram com o Secretário de Saúde, Juranduy Soares Granjeiro, que informou aos servidores não ter conhecimento dos descontos. Um vídeo com imagens de celulares registraram o momento.


No entanto, em um memorando enviado pela Secretaria Municipal de Saúde à Secretaria Municipal de Administração (Semad), assinado pelo secretário, comunica que Juranduy solicitou à Semad os descontos, considerando a necessidade de cumprir o TAC (Termo de Ajuste de Conduta), firmado com o Ministério Público Estadual (MPPA) e a orientação do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM/PA) para a redução de gastos. O TAC foi assinado em 24 de novembro.

O Sindicato contesta a decisão do secretário, argumentando que o TAC não prevê descontos na folha de pagamento, mas pelo contrário, assegura como prioridade o pagamento da remuneração dos servidores públicos. “Considerando a prioridade absoluta conferida pela Constituição Federal aos direitos fundamentais e o caráter alimentar da remuneração dos servidores.” (trecho do TAC em Capítulo l, Considerações Gerais).

Diante da situação, segundo o sindicalista Carlos Alves, o secretário informou que enviará até a próxima sexta-feira (02), um levantamento ao sindicato. “O secretário prometeu fazer um levantamento até sexta-feira sobre o quanto foi descontado no total da folha para saber todo o valor”, disse.

A técnica em enfermagem, Sheila Monteiro, que atua na unidade de saúde do Bairro Cidade Nova, informou que os descontos ultrapassam R$ 1.000,00 e critica a medida. “Falta de respeito, se nós soubéssemos que não receberíamos, teríamos nos prevenido”, afirmou.
Para a profissional, o não pagamento de adicional de insalubridade e de horas extras é inaceitável. “Hora extra é hora trabalhada que a gente só recebe se trabalhar”.

Para o Sinseppar, os descontos são ilegais e por isso cobra o pagamento retroativo do restante da folha.

Procurada, a Prefeitura Municipal de Parauapebas informou por e-mail que não vai se posicionar no momento, mas que haverá uma coletiva de imprensa na próxima semana.

Nesta quarta-feira (30), os servidores públicos se reúnem no auditório do Ceup (Centro Universitário de Parauapebas) com o sindicato da categoria para tratar do assunto.

Reportagem: Jéssica Diniz / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também