Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Sob polêmicas, vereadores aprovam em primeira votação projeto que corta cargos na Câmara

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Sessão Ordinária realizada na Câmara Municipal de Parauapebas nesta terça-feira (29) se alongou mais que o normal devido ao teor de um Projeto de Lei proposto pelo próprio legislativo. Considerado polêmico, o projeto tem dois intuitos cujos efeitos são simultâneos: Cortar 144 cargos comissionados e diminuir a diferença entre o número de comissionados e concursados.

O projeto de número 43/2016 de autoria da mesa diretora da Câmara de Parauapebas altera a Lei Municipal de n˚ 4.629 de 23 de dezembro de 2015 que trata do plano de cargos carreiras e vencimentos dos servidores da Câmara Municipal. Atualmente, a casa legislativa tem cerca de 90 servidores concursados e 379 comissionados.


Para o Ministério Público, além de existir um número excessivo de cargos, a Câmara vai de encontro com o que determina a própria legislação brasileira, que prevê que o número de concursados seja maior que o número de trabalhadores comissionados, sendo que na casa de leis acontece o inverso.

A proposta é fruto de um acordo firmado entre a presidência da Câmara Municipal e o Ministério Público Estadual (MPPA) através de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), assinado na sede no MP em Parauapebas, no dia 28 de outubro pelo responsável pela 4˚ Promotoria de Justiça em Parauapebas, promotor Hélio Rubens Pereira e o presidente da Câmara Municipal, Ivanaldo Braz (PSDB). Na ocasião, foi divulgado que com isso, a Câmara economizaria mensalmente R$ 496.177,47. A ideia é aplicar este recurso na rede de saúde pública do município.

Durante a sessão desta terça-feira (29), a discussão foi intensa, a vereadora Eliene Soares (PMDB) fez críticas à proposta e disse que não concorda com a demissão de “pais de família”. A vereadora Luzinete Rosa Batista (PV) contra argumentou e disse que a vereadora havia concordado com o projeto antes de ele chegar ao plenário, que Eliene assinou tanto o parecer, quanto as duas emendas propostas. “Ela assinou parecer favorável”, disse.

O vereador Nonato Sousa (PSC), em sua primeira sessão após a posse, no lugar do vereador afastado Maridé Gomes (PSC), pediu vistas do projeto, mas o pedido foi negado por votação simples no plenário.
Portanto, a primeira votação foi realizada com os 14 vereadores presentes, apenas 4 votaram contra o projeto que visa o corte de cargos, eles são: Josineto Feitosa (SDD); Eliene Soares (PMDB), Nonato Sousa (PSC) e Marcelo Parcerinho (PSC).

Na próxima sessão deverá ser feita a segunda votação, caso seja aprovado, o projeto será encaminhado para a sanção do prefeito de Parauapebas.

Tramitando em regime de urgência, o projeto recebeu duas emendas, que foram aprovadas e determinam que os efeitos da proposta só possam começar a valer 20 dias após a assinatura do prefeito, o que na prática significa que os cargos só serão extintos em janeiro de 2017.

O Ministério Público esteve presente durante a sessão e acompanhou o andamento da votação. Para o presidente da Câmara, Ivanaldo Braz (PSDB), o que se espera é que a proposta seja aprovada também na próxima votação. Durante as discussões o presidente afirmou: “Isso aqui é uma questão de moralizar a casa”.

Reportagem: Jéssica Diniz / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também