Suspeita de furto de combustível de trem da Vale envolve policial militar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Interceptado na rodovia PA-275, às margens do Lago do Bairro Nova Carajás, um caminhão com suspeitas de estar transportando objeto de furto foi a primeira e importante pista para chegar aos envolvidos no crime de roubo de combustível de locomotivas da mineradora Vale, em Parauapebas.

De acordo com informações repassadas à nossa equipe de reportagens pelas autoridades policiais, era por volta das 02h50 da madrugada desta sexta-feira (18), quando a guarnição da VTR 2307 foi acionada para dar apoio a uma equipe de segurança particular da mineradora Vale, que estava em acompanhamento do citado caminhão de placas JUZ-5387, que já estava sendo monitorado com suspeita de transportar combustível da empresa.


Ao ser interceptado, foram detidos os nacionais Alan Klen Santos Gonçalves e José Zito Lourenço da Silva, mas o desbarate da organização não parava por aí, pois, logo em seguida, um veículo Corolla de cor branca e uma caminhonete Amarok, da mesma cor, suspeitos de fazer a escolta do caminhão, passou pelo local e foram identificados pelos funcionários da segurança como sendo suspeitos; motivo suficiente para que a guarnição da Polícia Militar buscasse fazer a interceptação dos veículos.

Enquanto se fazia a abordagem do condutor do Corola, procedendo a apreensão do veículo e a detenção dos ocupantes, a Amarok se evadiu do local. O condutor do Corolla foi identificado como sendo o Cabo PM Alípio dos Anjos Oliveira, que é do Batalhão de Polícia Rodoviária do Estado do Pará e que estava acompanhado de seu cunhado, o nacional Lucas Gabriel de Oliveira Pinto.

Como agravante, foram encontrados no interior do veículo alguns rádios transmissores, além de uma pistola calibre .40, cuja arma, o militar assumiu ser de sua propriedade; tudo encaminhado para a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, bem como procedida a detenção dos suspeitos e apresentados ao delegado.

Cabe agora ao delegado responsável pelo caso a avaliação e tomada de procedimentos cabíveis para que se proceda as investigações para apuração do ocorrido, definindo qual será o procedimento legal a ser tomado.

 

De acordo com o subcomandante do 23º Batalhão de Policia Militar, Major PM Emmett Alexandre da Silva Moulton, que acompanhou a operação, já estava ocorrendo uma investigação em cima deste crime de furto de combustível já havendo levantamento feito pela coordenação de segurança da mineradora. “Já cientes que haveria a ação criminosa na madrugada, acionaram a Polícia Militar que teve êxito na ação”, afirmou o militar, detalhando que o insucesso no delito pode ter se dado por causa da chegada da polícia.

Quanto ao policial militar, suspeito de envolvimento no ato criminoso, caso seja autuado, terá direito a audiência de custódia e caso não seja liberado para responder em liberdade, será transferido para presídio específico para agentes de segurança, em Santa Izabel, cidade próxima a Belém.

Reportagem: Francesco Costa / Com informações de Ronaldo Modesto

Publicidade

veja também