Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

TRF1 paralisa mais uma vez as atividades de mineração do empreendimento Onça Puma

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), por meio da quinta turma, paralisou nesta terça-feira (13) as atividades minerárias do empreendimento Onça Puma (extração ao beneficiamento do minério), até que sejam implementados os planos de gestão econômicos, ambientais e ecológicos essenciais ao mínimo existencial inerente às comunidades indígenas.

O Ministério Público Federal é o autor da ação civil pública originária que tramita na Vara Única Federal da Subseção Judiciária de Redenção (PA).


A quinta turma do TRF1 é composta pelos desembargadores Souza Prudente (relator), Daniele Maranhão, Daniel Paes Ribeiro e João Batista Moreira, e o juiz César Jatahy, que resolveram rejeitar a técnica de julgamento de extensão à turma ampliada, proposta pela desembargadora Daniele Maranhão, e, por conseguinte, remeteram os autos do processo à quinta turma, formada originalmente pelos desembargadores Souza Prudente (relator) e Daniele Maranhão e juiz convocado César Jatahy, proclamando voto, no sentido de manter o pagamento mensal de um salário mínimo por integrante das comunidades indígenas Xikrin e Kayapó e a paralisação das atividades minerárias do projeto Onça Puma.

Os escritórios de advocacia Oliveira Lima Advogados Associados, coordenado pelo advogado José Diogo de Oliveira Lima; e MS Advogados Associados, sob a direção do advogado Luiz Alex Monteiro dos Santos, são os patronos, respectivamente, das associações indígenas que representam o povo Xikrin do Cateté e Kayapó.

Publicidade

Veja
Também