Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Vale deverá reduzir investimento no 2º semestre em 42%, para US$ 4 bi

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Vale confirmou nesta quarta-feira, em apresentação na BM&FBovespa, previsões do mercado de que a mineradora deve fechar o ano com investimentos entre US$ 8 bilhões e US$ 8,5 bilhões. Depois de ter investido US$ 4,3 bilhões no primeiro semestre, a mineradora prevê aportes de US$ 4 bilhões entre julho e dezembro. Ou seja, um recuo de 42% ante o segundo semestre do ano passado.

Segundo o diretor-executivo de finanças da Vale, Luciano Siani, a queda projetada nos aportes ocorre graças à redução estrutural no investimento em projetos e no investimento corrente, mudanças no escopo de alguns projetos e reduções derivadas da depreciação do real ante o dólar. Ele acrescentou que a empresa busca reduzir ainda mais o investimento com base em redução estrutural, mudança no escopo de projeto


A previsão inicial da companhia, divulgada no fim do ano passado, era investir US$ 10,2 bilhões em 2015. Porém, o número foi sendo gradativamente reduzido e, em 2015, a empresa já trabalhava com uma projeção na casa dos US$ 9 bilhões. Sendo assim, a empresa projeta fechar 2015 com investimentos entre US$ 8 e 8,5 bilhões.

Caso os investimentos da maior produtora global de minério de ferro somem US$ 8,5 bilhões neste ano, serão 29% inferiores aos realizados em 2014, de US$ 11,979 bilhões.

A redução gradual dos aportes está nos planos de longo prazo da companhia brasileira, à medida que for concluindo projetos, reduzindo custos e melhorando a qualidade do minério de ferro. A empresa reduz investimentos enquanto sofre com os baixos preços do minério de ferro, que atingiram mínimas de dez anos recentemente. Nesta quarta-feira, o produto valia US$ 56,40 por tonelada, segundo dados do The Steel Index.

A mineradora reiterou ainda nesta quarta-feira sua projeção de redução de investimentos ao longo dos próximos anos, atingindo em 2018 apenas US$ 4 bilhões, enquanto a produção de minério de ferro, cobre e níquel vão aumentar.

Com o preço da commodity em baixa e com compromissos de pagamentos de dividendos de US$ 2 bilhões aos acionistas este ano, a Vale buscou formas de tornar o investimento mais eficiente, uma vez que ainda tem grandes projetos para concluir até 2016, incluindo o S11D, na Serra Sul de Carajás (PA), e o projeto de carvão de Moatize, em Moçambique, na Áf

Em meio aos baixos preços do minério, a Vale reafirmou nesta quarta-feira que a meta de produção da commodity em 2015 está mantida em 340 milhões de toneladas. Porém, o percentual de crescimento da extração no ano seguinte ainda será definido, em função do plano de otimizações de margens.

A estimativa no início do ano era produzir no máximo da capacidade instalada que estará disponível em 2016, de 376 milhões de toneladas, mas recentemente o diretor de ferrosos da Vale, Peter Poppinga, disse que é provável que os volume extraídos fiquem abaixo desse volume.

 

Publicidade

Veja
Também