Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Velório e sepultamento são realizados com música, alegria e consumo de bebidas em Curionópolis

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um velório no mínimo inusitado foi realizado na manhã desta terça-feira (20) em Curionópolis, com direito a música, balões e alegria, apesar da perda do ente querido, Raimundo Nonato Muniz Cunha, mais conhecido como “Guariba”.

Sempre com um sorriso no rosto, Guariba era muito querido pela população de Eldorado do Carajás (onde residia) e Curionópolis / Foto: Divulgação

Segundo os familiares, o homem pedia que, quando falecesse, fosse sepultado com festa, por ser uma pessoa alegre e de alto astral. E a vontade foi cumprida, sendo comprovada por diversos vídeos que viralizaram nas redes sociais.


Marlene Marques foi casada com Guariba por 17 anos, tendo uma filha com ele. Ela conta que em uma ocasião, em Eldorado do Carajás, onde os três se reuniram, o assunto chegou em morte. “Foi quando perguntei para ele: ‘como você gostaria que fosse o seu velório?’. Ele disse que queria uma festa, pois não era uma pessoa triste, e era para beber, tocar as músicas preferidas dele e ainda fazer um cortejo. Eu fiz, cumpri sua vontade e não importa o que as pessoas pensem, pois quem arcou com as despesas fomos nós”, conta a viúva, com firmeza na voz.

E assim foi feito. No cortejo, havia um som que tocava músicas dos anos 70 e 80, os familiares e amigos seguravam balões brancos enquanto acompanhavam a trupe, e alguns buquês de flores foram colocados junto ao caixão. Várias pessoas presentes até dançavam com passinhos de “um pra lá e um pra cá”.

No vídeo, enquanto o caixão era colocado na sepultura, uma das pessoas pede para que abaixassem o volume da música, provavelmente pelo momento de última despedida. Quando a cova foi fechada, outra pessoa pediu uma salva de palmas para Guariba, momento este que os balões brancos foram soltos e cobriram o céu, significativamente representando o espírito de Guariba indo para um lugar melhor.

Quem conhecia o “Nêgo Guariba” sabe que onde ele estivesse estava animando as pessoas, era só alegria. Ele podia estar no ‘pó’, mas você nunca ia ouvir ele dizendo ‘não tenho isso, não tenho aquilo’, fazia era falar ‘eu sou é rico, tenho dinheiro aqui’. Ele era assim. Fiz a festa do velório dele, e faria de novo, até melhor, se eu pudesse”, enfatiza Marlene.

A filha de Guariba, Lídia Costa Cunha, conta que recentemente, em um churrasco, antes do falecimento de seu pai, ambos comentavam sobre as músicas que ele gostava de ouvir, o que ficou muito bem gravado na memória da jovem, de 21 anos. “A sociedade pensa que estamos ridicularizando a morte dele, mas foi apenas um pedido. Aonde meu pai chegava contagiava a todos com sua alegria, então, nos despedimos com alegria e festa”, justifica a jovem.

A família de Guariba concedeu entrevista e falou sobre os pedidos do patriarca / Foto: Ronaldo Modesto

Uerberson Matos também é filho de Guariba e, apesar de não terem muito contato, apoiou a decisão da família de realizar uma festa no velório de seu pai. “A gente sempre teve aquela amizade, conversávamos quando se via, e falava ‘se cuida, meu filho’. Sobre a repercussão do funeral, deixa as pessoas comentarem o que quiserem. Vou até tomar uma dose que sobrou da festa”, finalizou o rapaz, pegando um pequeno copo de vidro e pedindo à ex-cunhada de Guariba que o servisse com cachaça.

O apelido de Guariba era como Raimundo realmente gostava de ser chamado, tanto que até tentou registrar o “nick” como seu nome em um cartório, porém, não conseguiu. “Ele queria registrar, pois odiava esse nome de Raimundo Nonato”, relembra Marlene.

COMO FOI O HOMICÍDIO

Guariba foi morto por disparos de arma de fogo em Eldorado do Carajás, no último domingo (18), por volta das 6h30. Segundo relato da Polícia Militar, a guarnição foi acionada por conta de um corpo encontrado na Rua Santa Helena, no Bairro Abaeté, e ao chegar no local informado, constataram que havia um cadáver, tratando-se de Raimundo Nonato.

Ele apresentava perfurações pelo rosto, causadas por tiros, e segundo informações de populares, relatadas à guarnição, Guariba teria passado o dia ingerindo bebida alcoólica em um bar, próximo ao local do crime, e sua moto, modelo Biz +125, cor cinza, ainda se encontrava no local com os dois pneus cortados.

Os agentes da PM fizeram a preservação do local até a chegada da viatura da Polícia Civil e do Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves” (CPCRC) para remoção do corpo. O caso segue sendo investigado, pois até a tarde desta quarta-feira (21), o Portal Correio não obteve informações se os criminosos que tiraram a vida de Guariba foram apanhados pelas autoridades policiais.

Reportagem: Zeus Bandeira e Ronaldo Modesto  |  Correio de Carajás

Publicidade

Veja
Também