Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Vereadores de Parauapebas rejeitam três vetos do prefeito Darci Lermen

Na sessão ordinária da Câmara Municipal de Parauapebas realizada nesta terça-feira (25), os vereadores rejeitaram três vetos do prefeito Darci Lermen, a projetos de autoria de Eliene Soares (Solidariedade) e Miquinha (PT).

Dispositivo luminoso para identificação de radares

No Veto nº 14/2024, o prefeito Darci Lermen vetou totalmente o Projeto de Lei nº 26/2024, de Eliene Soares, que dispõe sobre a instalação obrigatória de dispositivo luminoso com luz intermitente indicando a existência de radares nas vias públicas do município.

O gestor municipal alegou na justificativa do veto que não existe norma que disponha sobre a obrigatoriedade de dispositivo de luz intermitente. Além disso, o mesmo não não é considerado um mecanismo de validação para o auto de infração de trânsito e para notificação de autuação.

Outro ponto avaliado como incoerente do PL nº 26/2024 pelo prefeito é que a matéria estabelece ainda que a ausência da sinalização luminosa implicará em nulidade da multa, pois tal medida é contrária à norma do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e “geraria uma significativa queda na arrecadação do município”. Logo, a proposição interfere no orçamento do Poder Executivo aumentando despesas, “matéria que somente poderia ser disciplinada em lei de iniciativa do prefeito municipal”.

Entretanto, a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), baseada em análise da Procuradoria Legislativa, discordou das alegações do prefeito, pois entende que o PL nº 26/2024 não trata da estrutura ou da atribuição dos órgãos da administração pública municipal, portanto, não dispõe de competências privativas do chefe do Executivo. A CCJR emitiu parecer orientando a rejeição do Veto nº 14/2024.

Obrigatoriedade de informar sobre Doenças raras

Já no Veto nº 15/2024, o prefeito Darci Lermen vetou totalmente o Projeto de Lei nº 66/2024, também de autoria de Eliene Soares, que dispõe sobre a obrigatoriedade de estabelecimentos de saúde prestarem informação sobre doenças raras não detectáveis pelo teste do pezinho.

De acordo com o prefeito, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que “que os exames que podem ser realizados através de coleta da Triagem Neonatal é imensurável, sendo inviável informá-los”.

Porém, com base em análise da Procuradoria Legislativa, a CCJR apontou que a Lei Federal nº 14.154/2021 ampliou para 50 o número de doenças rastreadas pelo Teste do Pezinho oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Logo, a justificativa do prefeito para vetar o PL nº 66/2024 não se sustenta, o que levou a comissão a emitir parecer pela rejeição do Veto nº 15/2024.

Reserva de cargos em comissão para PCDs

Por fim, no Veto nº 16/2024, o prefeito Darci Lermen vetou totalmente Projeto de Lei nº 84/2024, de autoria de Miquinha, que prevê a reserva de 10% dos cargos em comissão e funções gratificadas da administração pública municipal de Parauapebas para pessoas com deficiência (PCDs).

Segundo o prefeito, a proposição padece de vício de inconstitucionalidade e afeta matéria de competência exclusiva do Poder Executivo. “Impor a reserva de vagas para pessoas com deficiência em cargos em comissão e em funções gratificadas retira a própria finalidade do cargo, cujo exercício exige uma relação de confiança entre a autoridade nomeante e o nomeado, além de conhecimentos profissionais”, argumentou.

Novamente, a CCJR se contrapôs a justificativa do prefeito e ressaltou que o PL nº 84/2024 estabelece a reserva de vagas para PCDs “desde que atendam aos requisitos gerais exigidos para o cargo ou função”.

Rejeição

Seguindo orientação da Comissão de Constituição, Justiça e Redação e por discordarem também dos argumentos apresentados pelo prefeito Darci Lermen, os vereadores votaram contra os três vetos. Assim, as matérias serão arquivadas e os projetos encaminhados para promulgação pelo Executivo.

Qual sua reação para esta matéria?
+1
0
+1
0
+1
1
+1
1
+1
2
+1
1
Leia também no Portal Pebinha de Açúcar:

Deixe seu comentário