Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Vereadores sugerem que SAAEP coloque flúor em aguá distribuída em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Estudos têm demonstrado que nos últimos tempos a condição social tem sido o indicador dos fatores de risco para a cárie. A baixa renda pode ser associada a menos acesso aos serviços odontológicos e aos produtos de higiene, também ao menor conhecimento sobre os corretos hábitos de higiene bucal e consequentemente à alta prevalência e severidade de cárie dentária.

Embora a rede municipal tenha consultórios odontológicos para atender à população, é sabido que ela não consegue atender a toda demanda, necessitando, assim, investir na prevenção, como a fluoretação da água.


A água de abastecimento público fluoretada é considerada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos uma das dez maiores medidas de saúde pública do século XX.

Diversos estudos em diferentes países demonstram que a fluoretação reduz a cárie dentária. No Brasil, os resultados não foram diferentes. Dados do último levantamento feito em 2003 demonstraram que o índice CPOD (Dentes Cariados, Perdidos e Obturados) aos 12 anos foi de 2,73, enquanto em 1986 era de 6,8, sendo a menor prevalência de cárie em populações com acesso à água fluoretada, quando comparado com a população sem acesso a esse meio.

Este dado também se confirma no Estado de São Paulo no ano de 2002, onde adolescentes de 12 anos de idade apresentaram o índice CPOD 2,33 em municípios com água fluoretada e 3,51 em municípios sem água fluoretada.

Diversos pesquisadores revelam que dentre os meios de utilização do flúor a fluoretação das águas de abastecimento é considerada o mais efetivo e abrangente na redução das desigualdades sociais em relação à cárie dental.

Diante destes fatos, o vereador Bruno Soares (PP) solicitou a fluoretação das águas de abastecimento do município de Parauapebas. O parlamentar lembrou ainda que deve ser observada a Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos de controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e potabilidade. O pedido foi feito por meio do Requerimento n° 54/2015, na sessão ordinária de quarta-feira, 14 de outubro.

A proposição foi aprovada unanimemente pelo parlamento e será encaminhada ao chefe do Executivo e à gestora do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (Saaep), Francisquinha de Almeida Vieira.

Reportagem: Josiane Quintino

Publicidade

Veja
Também