Publicidade

ICMBio realiza consultas para criação do parque nacional campos ferruginosos de Carajás

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) realizará consulta pública para a criação do Parque Nacional Campos Ferruginosos de Carajás. Com a iniciativa, o Pará pode ganhar mais uma unidade de conservação para proteção de seus recursos naturais.
Os eventos acontecem nos dias 23 e 24 de novembro, respectivamente nas
Câmaras Municipais de Parauapebas e Canaã dos Carajás, às 18h.

As unidades de conservação são áreas legalmente instituídas pelo Governo Federal para proteger a biodiversidade. Com a criação, o Parque Nacional Campos Ferruginosos de Carajás será o maior parque de cavernas ferríferas do país localizado nos municípios de Canaã e Parauapebas. A unidade irá concentrar uma das maiores densidades de cavernas do Brasil.


São mais de 300 cavernas em formatos únicos e que abrigam espécies raras na região além de registros arqueológicos das primeiras ocupações humanas na Amazônia.

A criação atende o cumprimento de condicionante Ibama à Vale como compensação ambiental pela instalação do projeto Ferro Carajás S11D e outros empreendimentos na região. “O objetivo principal é proteger os campos ferruginosos, um tipo de ecossistema raro presente em rochas de formação ferrífera, conhecido como vegetação de canga ou “savana metalófila”, diz o Chefe da Flona Carajás, Frederico Drumond.

O Mosaico de Carajás é composto pela Área de Proteção Ambiental do Igarapé Gelado, a Floresta Nacional de Carajás, Floresta Nacional do Itacaíunas, Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri e Reserva Biológica do Tapiapé. Juntas somam uma área com mais de 1 milhão e 200 mil hectares de florestas bem preservadas e abrangem as cidades de Agua Azul do Norte, Canaã dos Carajás, Parauapebas, Marabá, São Felix do Xingu. Agora essa zona de conservação aumentará.

O Parque terá cerca de 80 mil hectares, composto por parte da Floresta Nacional de Carajás, mais precisamente a área conhecida como “Serra do  Tarzan” e que fica próxima aos projetos Sossego e 118. Também irá integrar o Parque, a “Serra da Bocaina”, localizada entre a PA 160 e o Rio Parauapebas.

De acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), as unidades podem ser de uso sustentável ou de proteção integral.
O Parque Nacional Campos Ferruginosos de Carajás se encaixa no critério de proteção integral, onde não há a exploração direta de recursos naturais. A área será voltada para a preservação dos ecossistemas naturais de grande relevância ecológica, suas espécies de fauna e de flora raras e típicas da região e seus ecossistemas aquáticos. O uso de seus atributos naturais será exclusivo principalmente para pesquisa científica e ações de educação ambiental e recreação, além do turismo ecológico. Outro exemplo de unidade na categoria de uso sustentável é Floresta Nacional de Carajás, que concilia a exploração dos recursos naturais com a conservação da biodiversidade.

Com a alarmante crise hídrica no sudeste do Pará, a comunidade de Parauapebas terá outro ganho importante para o município. A criação do
Parque Nacional garantirá a proteção dos mananciais que abastecem o rio Parauapebas.

Para a implantação do Parque, o ICMBio, órgão do Ministério do Meio Ambiente, responsável pela criação e gestão das unidade de conservação federais do Brasil, promoverá consultas à população de Canaã dos Carajás e Parauapebas no final deste mês. Nos eventos, serão apresentadas mais informações sobre a proposta, seus benefícios e consequências. Na oportunidade, a população e instituições poderão opinar e contribuir nas tomadas de decisão, para definição sobre criação, a localização, as dimensões e os limites da unidade.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu