Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Empresa chinesa assina Protocolo e pretende instalar Centro de Recuperação de Equipamentos

Na última terça-feira (10), a Prefeitura de Parauapebas contou com a visita de representantes da empresa chinesa Tidfore Heavy Equipment Group, uma multinacional especializada na fabricação de equipamentos avançados, sistemas de manuseio de grãos, engenharia de portos e naval. Ela também atua em pesquisa, produção, vendas, instalação, serviços de comissionamento, pós-venda de equipamentos e leasing.

Estiveram em Parauapebas o responsável pela divisão da América Latina da Tidfore, Jiang Yi, o gerente Tader Miao, e o gerente geral no Brasil, Armandoh Araújo. Jiang Yi acredita que o Pará, sobretudo a região de Carajás, por ser uma grande província mineral, é um local de grandes oportunidades. “Procuramos parceiros em projetos de infraestrutura e temos certeza que todo o potencial daqui ainda não foi alcançado”, afirma Jiang Yi.

Segundo o gestor da Secretaria de Desenvolvimento (Seden), Wander Nepomuceno, o interesse da empresa pelo município teve início após a participação da Prefeitura na Exposição Internacional de Mineração (Exposibram), que ocorreu em setembro de 2015, na cidade de Belo Horizonte. “Lá, nós apresentamos um pouco do potencial do nosso município em áreas como infraestrutura, biodiversidade, energia renovável e suprimentos de bens de capital. A partir desse momento eles decidiram ver a cidade com os próprios olhos”, explica.

Na quarta-feira (11) e quinta-feira (12) a comitiva conheceu as minas de Carajás e o Projeto S11D. Já na manhã desta sexta-feira (13), o prefeito Valmir Mariano e a Tidfore assinaram um protocolo com o objetivo de realizar um estudo de viabilidade para investimentos em projetos de infraestrutura de energia renovável e implantação de um centro de recuperação de equipamentos de mineração. A parceria deverá ser estendida à mineradora Vale e ao Governo do Estado. A gestão municipal acredita que a iniciativa é mais uma maneira para diversificar a matriz de desenvolvimento da cidade.

Reportagem: Anderson George

Pedra fundamental do complexo SESI/SENAI é lançada em Parauapebas

O lançamento da pedra fundamental do Complexo SESI/SENAI, que será construído em Parauapebas, foi realizado nesta quarta-feira (11), no bairro Parque dos Carajás II. Uma área de 55.556 m² foi doada pela Prefeitura para a construção do empreendimento que vai beneficiar a comunidade em geral. O evento contou com a presença de uma comitiva da Federação da Indústria do Estado do Pará (FIEPA).

“Em 2013 estive com minha equipe de governo na FIEPA e eles me disseram que haviam realizado 10 reuniões com a gestão passada para conseguir a área para construção do complexo SESI/SENAI, mas sem sucesso. Por entender a importância dessa grande obra para nossa cidade, firmei o compromisso de providenciar o terreno e hoje a pedra fundamental desse grande empreendimento está sendo lançada”, destacou o prefeito Valmir Mariano.

“A doação da área está dentro da legalidade, a Câmara contribuiu para isso. O SENAI já é parceiro da Prefeitura na capacitação de mão-de-obra local e acredito que essa parceria será ampliada”, informou Ivanaldo Braz, presidente da Câmara de Vereadores.

“É um momento ímpar, passamos dois anos resolvendo as questões burocráticas para realizar esse processo da doação da área dentro da legalidade, e agora, podemos começar a executar nosso projeto. O sistema FIEPA fará de tudo para dotar Parauapebas e região com um ensino profissionalizante de qualidade”, frisou o presidente da FIEPA, José Conrado.

“Com essa estrutura que construiremos aqui, temos certeza, de forma contundente que o SENAI vai fomentar ainda mais o desenvolvimento local”, disse o diretor do SENAI, Dário Lemos.
Estrutura e capacidade de atendimento

Mais de 15 mil pessoas, entre estudantes e trabalhadores da indústria, serão atendidas anualmente pelas futuras instalações das unidades do SESI e SENAI no município de Parauapebas.

Na estrutura que será construída funcionarão unidades administrativas e operacionais do SESI, contemplando escola com padrão arquitetônico sustentável, espaços de atendimento em qualidade de vida, esporte e lazer para o trabalhador da indústria e seus dependentes.

“O SESI não possui atualmente unidade operacional para atender a região. Com a construção das nossas instalações aqui em Parauapebas, nossa meta é de mais de 70 mil atendimentos nos próximos cinco anos”, comenta diretor do SESI, José Olímpio Bastos.

Também será erguida uma ampla escola de ensino profissional do SENAI com 20 salas de aulas e 15 laboratórios envolvendo os cursos já ofertados pelo órgão nesta região. “Teremos capacidade para atender até mil alunos e também vamos incluir novas capacitações nas áreas de Usinagem, Mecânica de Automóveis, Alimentos e Joalheria”, destaca Dário Lemos.

Serão investidos mais de R$ 48 milhões na construção da obra, prevista para iniciar em seis meses e com previsão de conclusão para os próximos dois anos. Neste montante, R$ 22.635.872,14 serão aportados pelo SESI, sendo R$ 18.108.697,71 pelo departamento nacional e R$ 4.527.174,43 pelo departamento regional; e R$ 25.801,00,00 serão investidos pelo SENAI, sendo 20 milhões pelo departamento nacional e R$ 5 milhões pelo departamento regional.

Polo

O município de Parauapebas é um relevante centro do trabalhador da indústria no Pará. Esta região apresenta grande potencial de crescimento para os próximos anos em setores econômicos como a mineração, construção civil, energia, alimentos e bebidas.

Parauapebas possui o maior índice do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado e foi o município que apresentou o maior superávit comercial do Brasil em 2013 (aproximadamente 10 bilhões de dólares). O mercado local apresenta grande potencial de crescimento, reunindo atualmente 462 estabelecimentos industriais e 113 mil trabalhadores e dependentes.

Entre os grandes projetos industriais da região está o Ferro Carajás S11D, que visa à expansão da produção de minério de ferro na região de Parauapebas, no município de Canaã dos Carajás, e irá gerar 30 mil empregos e 2.600 postos de trabalho permanentes, cujo potencial mineral está estimado em 12 bilhões de toneladas com o incremento de 90 milhões de toneladas de minério de ferro ao ano e investimentos previstos na ordem de 44 bilhões de dólares.

Reportagem: Karine Gomes

Exposição revela história de Curionópolis e Serra Pelada

Os frequentadores da Casa do Professor, em Serra Pelada, podem conferir a exposição ‘Recortes de memória, lembranças de histórias’, que retrata o processo de ocupação de Curionópolis e da vila de Serra Pelada, desde a pré-história até a fase atual. A mostra, que ficará no espaço até o dia 19 de maio, é resultado do Programa de Educação Patrimonial Serra Leste, desenvolvido pela Vale em parceria com a Fundação Casa da Cultura de Marabá. Até o momento, mais de 300 pessoas já visitaram a exposição.

Na mostra, os visitantes fazem uma viagem pelo passado, conhecem o perfil, alimentação, modo de vida e os artefatos usados pra sobrevivência dos primeiros habitantes da região – caçadores coletores, que viveram há cerca de 12.000 mil -, dos povos que antecederam a chegada dos portugueses e relembram a história do garimpo no local. E redescobrem também a história de criação de Serra Pelada e de Curionópolis.

O programa de Educação Patrimonial foi iniciado no município em 2013, com a etapa de diagnóstico e, posteriormente, uma série de atividades educativas e oficinas de valorização da história e cultura, voltadas aos professores e estudantes de 20 escolas da rede pública local, seis das quais em Serra Pelada. Na Casa do Professor, alunos que participaram do programa estão atuando como mediadores e orientando o público que visita a exposição.

A antropóloga e arquiteta Mariana Sampaio, da Fundação Casa de Cultura de Marabá, diz que a metodologia utilizada no programa valoriza o que a comunidade identifica como importante e sempre parte da história e modos de vida atuais, para, só numa segunda etapa, trabalhar o passado do lugar. “Mesmo em localidades com pouco tempo de ocupação é importante discutir a história, para que os moradores se vejam como protagonistas e tenham orgulho de sua história de vida”, ressalta Mariana.

A partir do dia 3 de junho, a exposição segue para Curionópolis, no Teatro Municipal da Cidade, onde permanece até o dia 21. Assim como ocorreu em Serra Pelada, nos dias 3 e 4, será realizado evento com programação de dança, teatro e shows, numa exibição do valor da cultura local, marcando o encerramento do trabalho desenvolvido para reviver a história das comunidades, por meio do Programa de Educação Patrimonial.

Saaep inicia manutenção em poços e reservatórios no Cidade Jardim nesta segunda-feira (16)

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (Saaep) informa que a partir desta segunda-feira (16), os serviços de manutenção nos poços artesianos e reservatórios do Bairro Cidade Jardim serão iniciados.

De acordo com a gestão do Saaep, a manutenção busca a melhoria da qualidade do fornecimento de água e beneficiará os moradores da 1ª até a 8ª etapa, por meio de escalas.

Dias 16 a 20 de maio o serviço será realizado na 4ª etapa.

De 21 a 27 de maio a limpeza ocorrerá na 3ª etapa.
De 28 de maio a 8 de junho o trabalho acontecerá na 5ª etapa.
De 9 a 18 de junho o trabalho acontecerá na 2ª etapa.
De 20 a 23 de junho o trabalho acontecerá na 6ª etapa.
De 24 a 30 de junho o trabalho acontecerá na 8ª etapa.

O Saaep ressalta que devido à manutenção o abastecimento de água durante esse período será reduzido e contará com o auxílio de caminhões pipa. Recomenda-se aos moradores que economizem e reservem água durante o tempo necessário para a normalização do sistema. O Saaep disponibiliza mais informações pelos números 3346-7361 e 0800-095-0001.

38% do público alvo ainda não foi vacinado contra gripe em Parauapebas

Sessenta por cento da população alvo da campanha nacional contra a gripe no Pará já foi imunizada, o equivalente a 881.509 pessoas. A meta é chegar ao percentual de até 80%, até o dia 20 de maio, prazo final da mobilização nos postos de vacinação localizados nos 144 municípios paraenses, em estratégias executadas por suas secretarias de Saúde.

Como orientadora da Campanha, a Divisão de Imunizações da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) recomenda que os profissionais das secretarias municipais de Saúde estejam empenhados em convencer a população pela adesão à campanha, pois a vacina concede imunidade após 15 dias da aplicação.

O público-alvo da campanha no Pará soma 1.704.531 pessoas e o objetivo é chegar a pelo menos 80% desse quantitativo, mediante o funcionamento, em todo o Estado, de 2.506 postos de vacinação fixos, além de 390 volantes e 62 fluviais, com 21.350 pessoas envolvidas, incluindo 2.048 equipes de vacinação. Além de 650 carros, também estarão disponíveis para a campanha 42 barcos, 16 voadeiras e 29 motos.

Com o objetivo de reduzir casos graves e mortes por síndromes respiratórias, a atual campanha está vacinando, gratuitamente, crianças com idade entre seis meses e menos de cinco anos, indivíduos com mais de 60 anos, profissionais da saúde, povos indígenas, grávidas, mães até 45 dias após o parto, presidiários e servidores do sistema prisional.

A Sespa informa que até às 12 horas desta sexta-feira, 13, o índice chegou a 60% da população paraense vacinada. Destes, a categoria mais imunizada foi dos trabalhadores de saúde, que ultrapassou a meta ao atingir 89%, seguida por idosos (69%), puérperas (66%), gestantes (50%), crianças (50%) e índios (35%).

Entre os municípios paraenses mais populosos, a capital foi a única cidade a cumprir a meta até o momento, com 85% da população vacinada. Os demais municípios que estão mais próximos deste índice são Abaetetuba (74%), Redenção (66%), Castanhal (63%) e Ananindeua e Parauapebas (62%). Na sequência vem Paragominas (56%), Santarém (50%), Altamira (43%), Bragança (41%), Soure (40%), Cametá (37%), Vigia (36%) e Portel (35%).

O monitoramento desses dados pode ser feito por gestores, imprensa e população por meio do Vacinômetro, sistema via internet implantado pelo Ministério da Saúde, que compila os dados preliminares encaminhados diariamente pelos municípios sobre a cobertura vacinal. A velocidade das informações repassadas está relacionada com a estrutura da rede de informática disponível, principalmente nos municípios do interior do Estado, visto que o sistema vai sendo alimentado ao longo da campanha, de acordo com as condições operacionais de cada Secretaria Municipal de Saúde.

Por isso, o percentual de pessoas imunizadas mostrado pelo serviço depende da capacidade dos gestores de reunir e repassar as informações. A recomendação é que os postos de saúde, que são administrados pelas prefeituras e não pelo Governo do Estado, funcionem em horário integral, ou seja, das 8h às 18 horas. Mas essa carga horária fica a critério das administrações municipais.

No link disponibilizado pelo Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (http://sipni.datasus.gov.br/si-pni-web/faces/relatorio/consolidado/vacinometroInfluenza.jsf) é possível conferir o desempenho de cada um dos 144 municípios paraenses, bem como o número de crianças imunizadas por idade. A alimentação dos dados é feita on line pelas Secretarias Municipais de Saúde em tempo real.

Reportagem: Mozart Lira / Agência Pará

Deixe seu comentário