Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Projeto de implantação de Porto Seco em Parauapebas está em andamento

Durante a tarde desta segunda-feira (13), o vice-prefeito do município de Parauapebas, Sérgio Balduíno (PSB), esteve reunido na cidade de Anápolis, no Goiás, com um dos proprietários do Porto Seco de Anápolis e Plataforma Multimodal, Sergio Hajjar e o Advogado do Porto Seco, Dr. Claudio Bisinoto.

Durante a reunião, ficaram acertados todos os detalhes e motivos de interesses de Parauapebas para a criação de um Porto Seco juntamente com uma Plataforma de logística Multimodal.

Na oportunidade, ficou estabelecido que haverá uma  reunião para visita com a diretoria da multinacional Vale para tratar da finalização do projeto.

“Este projeto da criação de um Porto Seco em Parauapebas iniciou através de nossos planos de governo do PSB durante as plenárias que foram realizadas ainda na campanha eleitoral. Estamos muitos felizes com o avanço do projeto e se Deus quiser, iremos implantá-lo e consequentemente gerar empregos e mais desenvolvimento para nossa querida Parauapebas”, relatou Sérgio Balduíno, em declarações prestadas ao Pebinha de açúcar.

Sérgio Balduíno não vem medindo esforços para que o Porto Seco seja implantado em Parauapebas

Porto Seco ou EADI – Estação Aduaneira Interior- é um terminal intermodal terrestre diretamente ligado por estrada, via férrea e/ou até aérea. Além de seu papel na carga de transbordo, portos secos podem também incluir instalações para armazenamento e consolidação de mercadorias, manutenção de transportadores rodoviários ou ferroviários de carga e de serviços de desalfandegamento.

Com o uso dos portos secos, as mercadorias exportadas já chegam aos portos marítimos prontas para o embarque, enquanto que no caso das importações pode-se tirar as mercadorias dos portos marítimos mais cedo, onde a armazenagem custa substancialmente mais caro.

Reunião em Brasília discute questão da Terra Indígena São Félix do Xingu

Está marcada para esta terça-feira (14) no Ministério da Integração Nacional, em Brasília, uma reunião para tratar questões da Terra Indígena (TI) Apyterewa, localizada no município de São Félix do Xingu.

O superintendente regional do Incra Sul do Pará, Asdrúbal Bentes, participará das tratativas a convite da associação dos ocupantes da área. Recentemente, o superintendente esteve na região e ouviu as demandas dos pequenos produtores, que reivindicam a legitimação de suas ocupações, visto que estão na área há vários anos, produzindo e cumprindo a função social da terra.

De acordo com o superintendente, o Ministério da Justiça tem condições de solucionar a questão dessa parte da Apyterewa. “Basta que se observe o que dispõe o Artigo 231 da Constituição Federal, que estabelece as condições para a definição de posse indígena”, analisa Asdrúbal.

Ainda em Brasília, haverá reunião na Sede do Incra, na quarta-feira (15), para abordar a situação do Projeto de Assentamento Belauto, que recebeu agricultores oriundos da desintrusão da TI Apyterewa. O Assentamento Belauto tem área de 25 mil hectares e capacidade para 412 famílias.

Outra demanda de São Félix do Xingu, que será discutida em Brasília, é a regularização fundiária. O superintendente tem por objetivo, buscar recursos para realizar a titulação dos assentamentos da região Sul e Sudeste do Pará.

Chuvas fortes deixam Parauapebas em ‘alerta amarelo’

Com a intensidade das chuvas nos últimos dias, a Defesa Civil em Parauapebas entrou no chamado ‘alerta amarelo’, quando a atenção é redobrada. Os trabalhos foram intensificados a partir das 6 horas de sábado, 11, e continuou por todo o fim de semana.

Nesta segunda-feira, 13, as equipes da Defesa Civil estiveram nos bairros Novo Brasil, Casas Populares ll e Jardim Ipiranga. Em alguns pontos da cidade foram registradas inundações e alagamentos próximos a afluentes. A Defesa Civil vem realizando o levantamento de áreas de risco e já documentou 14 pontos que estão sendo monitorados.

O comerciante Lélio de Sousa, morador do bairro Casas Populares ll, relata que sempre quando começa a chover a preocupação aumenta: “Quando a chuva vem, a água sobe rápido demais; todo ano é assim”.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil, Valvir Nogueira Fernandes, a locação do galpão para abrigar famílias está quase finalizada, mas já foram providenciados colchões, cestas básicas e cobertores para, eventualmente, atender quem precisar de abrigo.

Segundo o coordenador da Defesa Civil, em outro momento equipes do órgão realizaram visitas em locais de risco para planejar o acesso durante o período chuvoso: “Realizamos visitas durante o verão e mapeamos os locais para sabermos de que forma chegaríamos às famílias, em caso de alagamentos, por exemplo, nenhuma família ficará desemparada”, afirmou Valvir Fernandes.

Com o aumento das chuvas, o nível do rio Parauapebas subiu para 7.26 metros nesta segunda-feira. Normalmente, o nível registrado é de cinco metros. O monitoramento das águas é feito, diariamente, sempre às 7 horas e às 17h.

A Defesa Civil dispõe de dois barcos, um caminhão e duas equipes de trabalho, que em caso de necessidade, solicitam o apoio do Corpo de Bombeiros. O órgão orienta que famílias em áreas de risco fiquem atentas durante as chuvas, podendo acionar o órgão pelo telefone: 3346- 2597.

Reportagem: Jéssica Diniz

Carnaval de Parauapebas terá reforço de policiais vindos de Belém

O carnaval de Parauapebas, que será realizado entre os dias 25 e 28 deste mês, vai ganhar reforço de policiais militares de Belém, para maior segurança dos foliões. O pedido já foi encaminhado para o Comando Geral, na capital, e, segundo o tenente-coronel Pedro Celso, comandante do 23º Batalhão da PM, o reforço já está garantido, faltando apenas definir quantos homens serão enviados a Parauapebas, que atualmente conta com um contingente de 280 policiais militares para atender toda a região.

Nos quatro dias de folia, além de PMs estarão nas ruas homens do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Guarda Municipal, do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT) e do Detran. “Tudo para prestigiar a população de Parauapebas com a melhor opção de segurança pública”, diz o tenente-coronel Pedro Celso, após informar que a Operação Carnaval já está mapeando toda a área e arredores da Praça de Eventos, onde será realizado o evento.

Com o carnaval, o Disque-Denúncia também vai reforçar o atendimento, que terá escala especial. Ficarão quatro atendentes de plantão para receber as denúncias pelo número 3346-2250 ou pelo whatsApp 98198-3350, para os quais as pessoas podem enviar fotos, vídeos e textos sobre alguma situação irregular ou qualquer tipo de violência.

Pedro Celso, comandante do 23º Batalhão da PM

O Disque-Denúncia de Parauapebas recebe em média 300 ligações por mês. São mais de três mil ligações por ano. O atendimento vai das 8 às 20 horas. Após esse período as ligações poderão ser feitas para os números fixos do quartel da PM: 3346-1187 e 3346-1057. “Estamos com uma ótima parceria com a Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão (Semsi), no que se refere à segurança pública do município. Carnaval é coisa séria e é quando muita gente acaba exagerando no consumo de bebidas alcoólicas. Por isso, segurança nunca é demais”, diz o tenente-coronel Pedro Celso.

Ainda durante os quatro dias de carnaval, o Disque-Denúncia fará a entrega de panfletos informativos sobre a importância de a população fazer sua parte e denunciar situações ilícitas à central. No carnaval de 2016, foram feitas mais de 400 ligações para o Disque-Denúncia de Parauapebas. Neste ano, o comandante da PM prevê número ainda maior, uma vez que o município deverá receber de dez a 15 mil foliões, conforme estimativa da Secretaria Municipal de Cultura ( Secult).

A central do Disque-Denúncia foi implantada em Parauapebas há sete anos e dá suporte também aos municípios de Curionópolis, Eldorado do Carajás e Canaã dos Carajás. O serviço é um dos principais aliados das autoridades policiais no combate à criminalidade.

Reportagem: Antônio Marcos

 

Escola de Música Maestro Waldemar Henrique abre inscrições em Parauapebas

Começam nesta segunda-feira, 13, as inscrições para o processo seletivo 2017 da Escola de Música Maestro Waldemar Henrique. As vagas são destinadas a crianças e adolescentes, com idade entre 8 e 18 anos, em cursos de formação musical teórica e prática instrumental, com duração de três anos.

Estão sendo ofertadas 184 vagas, divididas por idade e curso, nos turnos da manhã e da tarde. Para as crianças de 8 e 9 anos, é ofertado o curso de musicalização infantil por meio do qual elas vivenciam a prática musical de maneira lúdica e divertida através de didáticas apropriadas.

A partir de 10 anos, as crianças têm a opção de se inscrever nos cursos de violão, teclado, piano, bateria e canto. Já os cursos de instrumentos de sopro (saxofone, clarinete, flauta transversal, trombone e trompete) são para candidatos a partir de 12 anos de idade.

O candidato fará opção por somente um curso/instrumento e estará concorrendo ao quantitativo das vagas ofertadas por horário que pretende cursar.

Os interessados assistirão a uma semana de aula, com noções elementares de teoria e percepção musical, no período de 20 a 24 deste mês. Ao final, farão uma prova para o preenchimento das vagas.

O formulário de inscrição se encontra disponível no Portal da Prefeitura de Parauapebas (www.parauapebas.pa.gov.br). Deve ser baixado, preenchido e entregue pelos pais ou responsável pelo candidato, juntamente com cópia do RG de ambos ou Certidão de nascimento do candidato, na secretaria da Escola de Música, que funciona na Secretaria Municipal de Cultura Secult (antiga Câmara de Vereadores), situada na rua E, nº 505, bairro Cidade Nova, no período de 13 a 16 deste mês, no horário das 8h às 11h30 e das 14h às 17h30.

Maiores informações pelo telefone (94) 3346-1358.

Vencedores de concurso universitário visitam Carajás

Os vencedores da 6ª edição do Prêmio Universitário Aberje (PUA), organizada pela Associação Brasileira de Jornalismo Empresarial (Aberje) e patrocinada pela Vale visitaram, durante a última semana as unidades da Vale em Carajás. Um total de 180 estudantes e 52 trabalhos disputaram o PUA, com representantes de 37 faculdades de todo o país. A equipe vencedora foi o grupo da PUC do Rio Grande do Sul (PUC-RS) com o trabalho “Novos sentidos para a mineração”.

A comitiva de alunos e professores que vieram do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo, contou também com a participação do Comitê de Comunicação do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), teve a oportunidade de conhecer de perto a operação de minério de ferro, as tecnologias aplicadas pelo setor mineral, além das ações de gestão ambiental e atuação social desenvolvidas pela empresa na região.

EXPORTAÇÕES: Parauapebas retorna em janeiro ao posto de número 1 do Brasil

Saiu na última  quinta-feira (9), o resultado da Balança Comercial por Municípios, e, como a reportagem já havia adiantado em dezembro, Parauapebas retornou ao posto de maior exportador nacional. O motivo é simples: a valorização do minério de ferro ao longo de 2016, produto que entrou este ano com cotação acima de 80 dólares a tonelada.

Em razão disso, a “Capital do Minério” bateu as megacidades São Paulo e Rio de Janeiro em alguns milhões de dólares negociados fora do Brasil em commodities. No caso de Parauapebas, o minério de ferro dominou 100% das exportações, que totalizaram 602,1 milhões de dólares — Rio de Janeiro conseguiu 569 milhões de dólares e São Paulo, 497 milhões.

Esse é o melhor janeiro da história comercial de Parauapebas, mas vale ressaltar que esses milhões de dólares em exportações não ficam no município, e sim de posse da mineradora Vale, que é quem efetivamente lucra sobre as costas da “Capital do Minério” com a exploração do minério de ferro de alto teor.

Outra questão a desmitificar, também, é o fato de que as finanças da prefeitura não têm relação direta com as exportações de minério, a não ser pelos royalties de mineração que decorrem da extração dele. A prova disso é o fato de a arrecadação local ter apresentado franco declínio em 2016 mesmo diante do cenário de aumento das exportações.

SUPERÁVIT

Nesta sexta-feira (10), o minério de ferro fechou cotado em 86,62 dólares a tonelada na China, país responsável por consumir 58,25% do produto parauapebense em janeiro. É o minério de ferro saído das entranhas da Serra Norte de Carajás, em Parauapebas, o principal sustentáculo da produção industrial do Pará, que é a mais dinâmica do Brasil. É Parauapebas, também, responsável por uma proeza da mais elevada magnitude: sustentar o saldo da balança comercial.

Em janeiro, Parauapebas foi o município do país que apresentou o melhor lucro para o Brasil. Foram 592 milhões de dólares em saldo comercial, mais de 200 milhões de dólares à frente do segundo colocado, o município portuário paulista de São Sebastião, que apresentou 373,5 milhões de dólares de superávit. Ao que parece, em 2017, ninguém segura Parauapebas no quesito balança comercial. De resto, o futuro dirá.

Reportagem: André Santos / Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Marabá bate recorde comercial e é o 10º mais importante do Brasil

Já dizia o trecho da letra de um calypso paraense: “Segura, Marabá!”. Mas na balança comercial, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), ninguém segura. Em janeiro de 2017, alheio a todos os seus problemas sociais de primeira urgência, o município de Marabá desfilou no pelotão dos municípios que mais lucro dão ao país. Com 137,5 milhões de dólares em saldo comercial, Marabá, se fosse uma empresa para o Brasil, seria o décimo melhor investimento.

Há uma razão de ser nisso tudo: o cobre. Se, em Parauapebas, é o ferro quem dita os rumos da economia, em Marabá o cobre rouba a cena. Dos 142,7 milhões de dólares exportados a partir de Marabá em janeiro, pelo menos 111,7 milhões de dólares (ou 78%) são provenientes do cobre em concentrado. O município também tem manganês, carnes e miudezas, porém nada com o poder milionário e sedutor do metal nobre, que tem nos alemães, chineses, suecos, poloneses e indianos seus maiores admiradores. A produção de cobre, aliás, cresceu 75% em relação a janeiro do ano passado.

Atualmente, Marabá é o 21º na lista dos maiores exportadores nacionais, que teve 1.257 municípios no mês passado. Janeiro de 2017 crava um recorde histórico de transações de commodities para a “Rainha do Tocantins” porque as exportações locais cresceram 110% em relação ao total exportado no mesmo período de 2016. Marabá é o município nacional de porte médio que mais cresceu na balança comercial nos últimos quatro anos, tanto em número de posições progredidas quanto em valor de transações, e tal movimento é financiado pelo sucesso comercial do projeto Salobo, assinado pela mineradora Vale para extração de cobre em concentrado. Quem dera, também, o desenvolvimento social do município acompanhasse o ritmo frenético das exportações.

Reportagem: André Santos / Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Canaã dos Carajás ‘estreia’ S11D e ferro na balança comercial

O movimento de minério de ferro em Canaã dos Carajás ainda é tímido, mas já já vai ganhar força. E mesmo assim, à base do caladinho, o projeto S11D, assinado pela mineradora Vale, movimentou 264,4 mil toneladas de minério de ferro em seu primeiro mês comercial. A informação é do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Em 1984, a primeira lavra anual realizada em Parauapebas pela Vale contabilizou 350 mil toneladas. Então, nada mal para começo de uma estrada de muitas pedras a retirar pela frente, literalmente, no S11D.

A expectativa é de que S11D oferte, pelo menos, 25 milhões de toneladas (Mt) de minério de ferro este ano e a Vale extraia na região de Carajás um total de 175 Mt — além de Canaã (Serra Sul, 25 Mt), a produção sairá de Curionópolis (Serra Leste 10 Mt) e, principalmente, Parauapebas (Serra Norte, 140 Mt), de acordo com cronograma de produção apresentado no final do ano passado pela empresa.

Curiosamente, em janeiro de 2016, apenas os finlandeses tinham interesse em comercializar com Canaã dos Carajás. Isso porque, até o final do ano passado, o município possuía apenas cobre para apresentar ao mundo. Agora, uma multidão de gringos está correndo loucamente atrás do ferro de Canaã dos Carajás e até os chineses já deram as caras em janeiro. Além deles, há alemães, indianos, japoneses, espanhóis, turcos, franceses, malaios, sul-coreanos, holandeses e britânicos.

Em 2017, Canaã deve retomar sua importância na balança comercial nacional. O município, que chegou a ser um dos 20 principais do Brasil, perdeu participação e sucumbiu, aqui mesmo no Pará, ao progresso de Barcarena e Marabá. Hoje, na 57ª colocação, Canaã é um reles desconhecido na fila do pão, mas poderá reverter o quadro caso se concretize a produção esperada para S11D. Ao despejar 25 Mt de minério de ferro este ano, a “Terra Prometida” alçará para entre os 20 principais novamente. E quem viver verá.

Reportagem: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar

Tempo de suspensão por 20 pontos na CNH aumentou

O tempo mínimo de suspensão para quem atingiu 20 pontos ou mais na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) dentro de 1 ano aumentou em novembro passado. Foi de 1 mês para 6 meses.

A mudança aconteceu na mesma época em que o valor de todas as multas foi reajustado e começaram a valer outras alterações no Código de Trânsito.

O prazo máximo de suspensão para quem acumula 20 pontos ou mais continua sendo de 1 ano.

Para quem voltar a atingir essa pontuação dentro de 1 ano, a penalidade mínima passou de 6 para 8 meses. A máxima continua em 2 anos.

Segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), no entanto, para o motorista estar sujeito aos novos prazos, todos os pontos têm de ter sido atribuídos depois de 1º de novembro, quando a mudança na lei começou a valer.

Por isso, levando também em conta que existe um tempo entre o cometimento de uma infração e a suspensão ser efetivada, ainda não há muitos motoristas submetidos ao novo prazo, diz o Detran-SP.

Veja abaixo perguntas e respostas sobre a suspensão da CNH.

1) O prazo de suspensão para quem atinge 20 pontos ou mais na CNH mudou?

2) A mudança já está valendo?

3) Quem define se o motorista ficará suspenso por 6 meses ou mais?

4) Existem casos em que a suspensão é maior?

5) Como fico sabendo quantos pontos tenho?

6) Como descubro se minha CNH foi suspensa?

7) Posso recorrer da suspensão?

8) O que acontece depois que fui suspenso?

9) Qual a punição por dirigir com a CNH suspensa?

10) Qual a diferença entre suspensão e cassação da CNH?

11) Se fui notificado sobre uma multa, quais são os meios legais para não ficar com os pontos?

12) Posso converter multa em advertência?

13) Quem é motorista profissional também é suspenso?

***

1) O prazo de suspensão para quem atinge 20 pontos ou mais na CNH mudou?

Sim. Desde 1º de novembro de 2016, o tempo mínimo de suspensão do direito de dirigir para quem atinge 20 pontos na carteira em 1 ano passou de 1 mês para 6 meses. O prazo máximo continua sendo de 1 ano.

Se o motorista voltar a atingir essa pontuação dentro de 1 ano, a penalidade passou a ser de 8 meses a 2 anos; antes eram 6 meses a 2 anos.

Isso está na lei 13.281, que alterou o artigo 261 do Código de Trânsito Brasileiro.

2) A mudança já está valendo?

A lei passou a vigorar em 1º de novembro de 2016. Mas, para o motorista estar sujeito aos novos prazos, todos os pontos têm de ter sido atribuídos a partir dessa data, informa o Denatran.

3) Quem define se o motorista ficará suspenso por 6 meses ou mais?

Segundo o Denatran, “o período de suspensão será definido pela autoridade de trânsito responsável pela aplicação da penalidade”, ou seja, os Detrans.

O Detran-SP informou que o tempo varia “de acordo com o tipo e a gravidade das infrações, além de ser levado em conta o histórico do condutor (se é reincidente em suspensão, se já teve a CNH cassada, etc.)”.

O tempo de suspensão é informado quando a penalidade é confirmada, após os prazos para defesa do condutor.

4) Existem casos em que a suspensão é maior?

O prazo de suspensão para quem torna a atingir 20 pontos ou mais em 1 ano é maior, de 8 meses a 2 anos.

Além disso, existem infrações em que é prevista a suspensão do direito de dirigir independentemente do número de pontos que o motorista tenha.

Algumas dessas infrações já têm o período de suspensão definido, como dirigir alcoolizado ou recusar teste do bafômetro (1 ano).

Outras, como guiar moto sem capacete ou dirigir em velocidade 50% acima do limite da via, não têm um prazo especificado na lei. Nesse caso, o tempo de suspensão vai variar de 2 a 8 meses.

5) Como fico sabendo quantos pontos tenho?

Os Detrans costumam disponibilizar a consulta nos sites. Alguns oferecem o serviço de aviso quando o motorista está prestes a atingir 20 pontos. É o caso do Detran-SP: quem se cadastra no site e autoriza o envio de SMS recebe mensagem quando atinge de 12 a 19 pontos.

6) Como descubro se minha CNH foi suspensa?

O motorista é notificado, via correio, pelo Detran; para isso, é preciso manter os dados atualizados no departamento.

Primeiro, ele é avisado de que foi instaurado o processo de suspensão do direito de dirigir. O condutor tem um prazo para se defender. Se a punição for confirmada, ele será avisado disso e do prazo de suspensão.

Os nomes dos motoristas que correm o risco de ter a CNH suspensa e dos que tiveram a suspensão efetivada também são divulgados no Diário Oficial do Estado.

7) Posso recorrer da suspensão?

Sim. Após receber a notificação da abertura do processo de suspensão, o motorista pode apresentar sua defesa por escrito em 1ª instância, até a data-limite que consta na carta enviada pelo órgão.

Segundo Detran-SP, a data-limite sempre dá um prazo de pelo menos 30 dias a partir da entrega da correspondência para o condutor apresentar a defesa.

A contagem do prazo de suspensão não começa enquanto não sair o resultado da análise da defesa.

Caso o recurso seja indeferido (recusado), o condutor poderá recorrer em 2ª instância ao Conselho Estadual de Trânsito (Cetran). O recurso deve ser feito por escrito e entregue em até 30 dias a partir do resultado da análise do primeiro recurso.

Se todos os recursos forem indeferidos, a penalidade de suspensão do direito de dirigir será aplicada.

8) O que acontece depois que fui suspenso?

É preciso entregar a CNH ao Detran e fazer o curso de reciclagem no Detran ou em um Centro de Formação de Condutores (CFC) credenciado. Alguns estados, como o de SP, permitem fazer o curso online, em CFCs autorizados. Para saber se há essa possibilidade, consulte o Detran do seu estado.

Após cumprir o prazo de suspensão, o motorista deve entregar o certificado do curso de reciclagem e solicitar a retomada da CNH.

9) Qual a punição por dirigir com a CNH suspensa?

Quem for pego nessa condição terá a CNH cassada. Além disso, trata-se de infração gravíssima com o valor da multa multiplicado por 3.

10) Qual a diferença entre suspensão e cassação da CNH?

A cassação é uma punição mais severa: o motorista perde o direito de dirigir por 2 anos.

Ela acontece se o condutor que estiver cumprindo suspensão for pego dirigindo ou em casos de reincidência, dentro de 1 ano, de determinadas infrações, como dirigir sem a CNH ou com habilitação de categoria diferente, dirigir alcoolizado, etc.

Se o motorista tiver a CNH cassada enquanto ainda cumpre suspensão, somente após o término do tempo de suspensão e realização do curso de reciclagem é que a penalidade de cassação começa a ser contada. A partir daí, o motorista pode recorrer da cassação.

Após o cumprimento do prazo da penalidade de cassação, o condutor pede autorização ao Detran para iniciar o processo de reabilitação, se quiser voltar a dirigir.

É preciso fazer todos os exames como se fosse tirar a habilitação pela 1ª vez (médico, psicológico, prova teórica, prática…), mas, em vez de aulas de autoescola, a pessoa passa por um curso de reciclagem.

11) Se fui notificado sobre uma multa, quais são os meios legais para não ficar com os pontos?

Se o motorista perceber erros ou inconsistências na Notificação de Autuação de Infração de Trânsito ou no Auto de Infração de Trânsito, ele pode fazer uma defesa prévia – ou seja, antes da aplicação da penalidade.

Se a defesa não for feita ou não for aceita, ele receberá a multa e poderá entrar com recurso na 1ª instância à Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari), dentro do prazo estabelecido. Há ainda a possibilidade de recorrer em 2ª instância ao Conselho Estadual de Trânsito de São Paulo (Cetran).

Caso, no momento do cometimento da infração, outra pessoa estiver ao volante do veículo, o motorista poderá apontar o infrator, preenchendo o formulário que existe no documento de notificação da infração e anexando a cópia da CNH da pessoa indicada, que também deve assinar o formulário.

O Detran-SP alerta que esses processos têm a mesma duração se forem feitos pelo motorista junto ao Detran ou por meio de despachantes.

12) Posso converter multa em advertência?

Sim, em certos casos. O motorista pode fazer isso após ser notificado da infração, dentro do prazo de defesa (30 dias, em média). Mas a advertência só é possível nas seguintes situações:

– a infração de trânsito deve ter sido de natureza leve ou média (3 ou 4 pontos), como a multa por desrespeitar o rodízio de veículos em São Paulo;

– o condutor não pode ter cometido o mesmo tipo de infração nos últimos 12 meses;

– a CNH deverá estar em situação regular (não ter sido cassada ou suspensa).

13) Quem é motorista profissional também é suspenso?

Sim, se alcançar os 20 pontos dentro de 1 ano. Porém, desde 2015, quem exerce atividade remunerada em veículo, habilitado na categoria C (ex: caminhão), D (ônibus) ou E (veículo com reboque acoplado), pode optar por participar de curso preventivo de reciclagem sempre que, no período de 1 ano, atingir 14 pontos. Após a conclusão do curso, a pontuação é eliminada.

O motorista, no entanto, não pode solicitar o curso preventivo mais de uma vez dentro de 1 ano.

Fonte: G1

Confirmada morte do jornalista Jean Teles em Teresina

Morreu na noite deste domingo (12) no Hospital São Marcos, na capital piauiense, Teresina, o jornalista Jean Teles. Ele trabalhou como repórter de TV em Parauapebas, São Luís-MA e atualmente era assessor de imprensa da prefeitura de Caxias-MA.

O comunicador esteva internado desde o ultimo dia 6 de fevereiro quando foi encontrado inconsciente dentro do carro dele nas proximidades do povoado Riachão. Jean foi vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e o estado dele era considerado muito grave. Na noite de ontem foi confirmado o óbito.

Veja abaixo a nota de pesar da Prefeitura de Caxias:

“Com muito pesar viemos informar que ontem por volta das 21h. foi oficialmente informado pelos médicos do hospital São Marcos de Teresina, a morte do jornalista Jean Teles.

A causa morte foi Hemorragia meníngea.

A família agradece a todas as manifestações de apoio e orações nessa uma semana em que Jean Teles lutou pela vida.

Os familiares decidiram doar os órgãos e por conta disso o corpo só será liberado após 24h. Nas próximas horas a família estará informando o local do velório.

Jean Teles deixa esposa e filho de 5 meses”.

Fonte: Blog do Minard

 

Marcos Açaí lança carreira de cantor em Parauapebas

Após ter vídeo divulgado na internet, alcançado milhões de visualizações e até mesmo fazer sucesso em programa nacional da televisão brasileira, o ex-catador de ferro velho, e agora cantor, Marcos Açaí fez o seu primeiro show como profissional em Parauapebas.

Marcos Açaí foi a atração principal da edição especial do evento denominado “Sabor com Música”, realizado na última sexta-feira (10), na Praça de Eventos do Partage Shopping Parauapebas.

No palco, em um show que durou mais de uma hora, Marcos Açaí mostrou para um grande público o seu talento musical e confirmou que tem tudo para alcançar sucesso em todo o Brasil.

Após o show, Açaí recebeu seus amigos, familiares e fãs na recepção da TV Vera Cruz, afiliada à RecorTV que fica instalada nas dependências do Partage Shopping Parauapebas, deu autógrafos e tirou centenas de fotos.

A apresentação musical que marcou o lançamento oficial de Marcos Açaí como cantor profissional foi realizada pelo Partage Shopping, TV Vera Cruz e contou com o apoio cultural da Prefeitura Municipal de Parauapebas e Portal Pebinha de Açúcar.

Agora, Marcos Açaí que já tem um empresário e respectivamente uma empresa que cuida de sua carreira, deve se ausentar de Parauapebas e partir para outros estados, onde deve passar por um processo de profissionalização, para depois iniciar seus shows por todo o Brasil.

Deixe seu comentário