Publicidade

Manifestantes protestam interditando via pública na VS-10

“Temos crianças sem estudar e muitas outras sem atendimento à saúde básica por irresponsabilidade deste governo”, denuncia Cássio Menezes, líder comunitário do complexo de bairros VS-10, em Parauapebas, onde diz ser notória a ausência do poder público.

Entre as deficiências na oferta dos serviços essenciais, Cássio aponta a falta de abastecimento de água, em alguns casos nem mesmo através de carro pipa; a falta de Unidade Básica de Saúde, escolas e pavimentação nas ruas, estando a maioria intrafegáveis.


Os problemas citados foram o combustível para a manifestação que se iniciou na madrugada de hoje, segunda-feira (18), quando vários populares interditaram a via, ateando fogo em pneus e construindo barricada com móveis e cordas, o que impediu o tráfego de veículos no local. “Não são demandas novas; todas já foram levadas ao conhecimento do prefeito em diversas reuniões, além de serem partes do PPA. Adiamos ao máximo este ato, porém, chegou a um ponto que não deu mais para esperar”, conta Cássio, dando por certo que a via não será liberada antes que o governo se manifeste com garantia de que as soluções serão trazidas.

 

Porém, o governo municipal, através do secretário municipal de Obras, Wanterlor Bandeira, falou com a equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar, e reconheceu serem as demandas já antigas, porém, todas previstas no plano de execução. “Algumas, como, por exemplo, a iluminação pública, já está em fase de conclusão. Há outras em execução e as demais serão iniciadas tão logo passe o período chuvoso”, conta Wanterlor Bandeira, dando por entrave a legalidade dos bairros que estão nas mãos do Ministério Público.

De acordo com o detalhado por Wanterlor Bandeira, houve reunião com os líderes comunitários daquele bairro, quando se intensificaram as chuvas, mas, mesmo assim, a operação tapa buracos na rota de vans continuou. Quanto às escolas, ele diz que estão sendo preparadas as inaugurações e outras estão aguardando aprovação do projeto. “Houve várias reuniões para tratar das demandas daquela população; portanto, os líderes desta manifestação, Cássio e Roseane, não estiveram nas mais recentes, inclusive na ocorrida ontem”, conta Wanterlor, dando por certo que há canal aberto no gabinete e nas secretarias para receber as demandas e buscar, junto com a comunidade, soluções para os problemas.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu