Publicidade

Moradores de Curionópolis interditam Rodovia PA-275

Um trecho da Rodovia PA-275 está interditado desde as primeiras horas desta segunda-feira (10), o que dificulta o acesso de quem por ela trafega. O bloqueio, ocorrido nas proximidades da cidade de Curionópolis, há cerca de 30 quilômetros de Parauapebas, está sendo mantido por populares daquele município que exigem a ampliação de produção Projeto Serra Leste, situado nas proximidades do antigo garimpo de Serra Pelada, cuja operação deve se dar através da mineradora Vale S/A; portanto, já faz alguns anos que os processos de pedidos de licenças tramitam, porém, ainda sem liberação.

Outro motivo da manifestação é que, tanto a Vale, quanto outras empresas que realizam obras no município de Curionópolis priorizem a contratação de mão de obra local; assunto que já foi motivo de outros protestos.


A população daquele município tem suas razões para chegar a tal extremo, pois, a cidade não conta com indústrias, tendo como única fonte de geração de empregos o serviço público e o comércio que é de pequeno porte. Assim, muitas pessoas, principalmente os mais jovens, se veem obrigados a deixar sua cidade em busca de oportunidade. “Não quero ver mais um de meus filhos saindo daqui; muito menos continuar passando necessidades pela falta de recursos financeiros. O que precisamos é que projetos sejam implantados aqui e que não continuemos sendo vítimas de burocracias que só emperram o desenvolvimento de nosso município”, disse Jovino Castro, um dos manifestantes.

De acordo com o prefeito de Curionópolis, Adonei Aguiar (DEM), várias reuniões foram feitas com o governo, sendo dez, só em seu governo, todas para solicitando o aumento de produção do Projeto Serra Leste. O objetivo é a produção salto de 6 milhões de toneladas para 10 milhões. “Nas duas últimas reuniões que tivemos com o governo anterior, a equipe técnica da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMAS), nos apresentou uma série de pendências que existem, tanto em relação às condicionantes para a liberação da operação já existente, quanto pendências no relatório de EARIMA do pedido de ampliação da produção”, contou Adonei Aguiar, detalhando que os tais relatórios foram encaminhados pelo departamento de licenciamento da Vale, sendo que em seguida a mineradora esteve em reunião no mês de novembro de 2018 com comprovantes de que as tais pendências estavam sendo sanadas.

 

A tramitação e a busca pela solução, segundo Adonei, continuaram, tendo ocorrido uma reunião no dia 27 de dezembro, na SEMAS, quando solicitou que viesse de Belo Horizonte o Diretor de Licenciamento Ambiental da Vale, Lucio Carvalho, e esse, na reunião, ouviu do então, secretário de estado de Meio Ambiente, Thales Belo, quais eram os entraves causados pela pendências, rebatidos por novos documentos apresentados pela mineradora. “Mas, como era final de ano e também de governo, os levantamentos ainda não haviam sido concluídos. Quatro dias depois, mudou-se o governo, entrou um novo secretário e foi necessário retomar as conversações. Mandei ofício logo no início de janeiro informando da necessidade que se fizesse a análise da licença, mas, imagino que por ser início de governo, o secretário ainda está avaliando todos os detalhes”, explicou Adonei, relatando que aproveitou na vinda do Governo Itinerante em Marabá para conversar com o governador Helder Barbalho e o novo secretário de estado de Meio Ambiente, Mauro O’ de Almeida, quando cobrou a licença ambiental de Serra Leste, já que a mineradora afirmou ter se isentado das pendências.

Nossa equipe de reportagens manteve contato com a Assessoria de Comunicação da mineradora Vale, através de aplicativo de mensagens instantâneas; e a mesma se comprometeu a mandar seu posicionamento a respeito do assunto.

ATUALIZAÇÃO: 19H45

Confira a nota enviada pela Assessoria de Comunicação da Vale ao Portal Pebinha de Açúcar:

“A Vale informa que as atividades na mina de Serra Leste já alcançaram os limites da cava previstos na licença em vigor. A empresa vem adotando medidas, que resguardem os empregos dos trabalhadores de Serra Leste, dentro das normas trabalhistas previstas em lei. A Vale vem mantendo diálogo e reuniões com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Semas). A empresa seguiu todo o rito e prazos legais do licenciamento ambiental, além de apresentar relatórios complementares com as evidências, dados e laudos necessários para análise do órgão sobre o atendimento de condicionantes da licença de operação e para expansão”.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu