Publicidade

Peça teatral “Qual vai ser?” aborda educação financeira e escolha profissional na adolescência

Redenção, Marabá e Paragominas estão entre os municípios que irão receber o espetáculo, o qual já percorreu 175 cidades

Pelo terceiro ano consecutivo, o Sicredi e o Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, promovem a peça teatral “Qual vai ser?”. Voltada para os jovens, em especial os que estão concluindo o Ensino Médio, a apresentação mistura a linguagem da comédia com o stand-up por meio da interação dos atores com a plateia.


Desde 2015 até 2017, o espetáculo percorreu nove estados, 175 municípios sendo assistida por mais de 53 mil espectadores. Com formato itinerante, este ano a peça percorre 80 cidades de diversas regiões do Brasil.

Em 2018, três municípios paraenses recebem o espetáculo: Redenção, Marabá e Paragominas. Em Redenção, o evento ocorrerá na Paróquia Cristo Redentor, no dia 06 de novembro às 20 horas. Os ingressos estão disponíveis no Sicredi Redenção, na Av. Brasil, 2525. O acesso é gratuito, no entanto, para garantir a entrada, basta comparecer até a agência e fazer a troca por 1 kilo de alimento não perecível.

Em Marabá, a apresentação será no dia 09 de novembro, às 20 horas, no Carajás Centro de Convenções, com entrada franca. Enquanto em Paragominas, o evento ocorrerá no dia 12 de novembro às 20h, no Teatro Municipal, também com entrada gratuita.

A apresentação em Marabá, vale salientar, é a única das três que contará com audiodescrição para pessoas com deficiência visual e também tradução e interpretação em Língua Brasileira de Sinais, LIBRAS, para pessoas surdas, oportunizando que mais pessoas tenham a possibilidade de assistir ao espetáculo.

“Qual vai ser?” é produzida pela Liga Produção Cultural, com trilha sonora de Renato Mendonça, texto de Dedé Ribeiro e direção de Daniel Colin. A peça tem duração de 55 minutos e narra a trajetória de Daniel, um adolescente que ao terminar a escola tem que decidir entre assumir o pequeno armazém da família ou ir para a universidade. Mas este não será seu único desafio. Ao mesmo tempo, ele tem que lidar com Tuca, sua irmã viciada em compras, que está endividando a família. O personagem também se encantará pela fascinante Leila.

A produção é voltada para o público adolescente, abordando as dificuldades enfrentadas pelos jovens em relação ao futuro profissional. Além disso, a peça aborda os cuidados necessários com as finanças e a necessidade de um bom planejamento financeiro, que são parte do cotidiano familiar, por meio de temas como as compras impulsivas.

Sobre audiodescrição e LIBRAS:

Descrição verbal do conteúdo visual de peças de teatro, filmes, fotografias e muitos outros produtos culturais e artísticos, a audiodescrição faz toda a diferença no teatro, por exemplo, onde as pessoas que não enxergam podem ter uma ideia muito melhor e detalhada de cenários, figurinos, gestos, emoções, entrada e saídas de cena, luz. Tudo isso tem um valor narrativo que, se não for traduzido em palavras, não é percebido por quem não enxerga ou tem grande dificuldade em enxergar. A audiodescrição no teatro é sempre feita ao vivo, assim como a própria peça. Em uma cabine ou outro espaço do teatro, um narrador lê um roteiro previamente preparado. O usuário recebe um rádio com fones de ouvido e, assim, pode escutar tudo o que é descrito pelo narrador.

A LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais – é reconhecida por lei como forma de comunicação dos integrantes da comunidade surda. Trata-se de um conjunto de sinais usado para a comunicação entre essa comunidade e também entre quem escuta, chamados de ouvintes. Uma peça de teatro normalmente tem muitas falas em português. Para que as pessoas surdas entendam a narrativa, é indispensável que um profissional (chamado tradutor e intérprete de língua de sinais) traduza o que é dito. O intérprete traduz previamente o texto da peça e, durante a apresentação, se posiciona junto ao palco para sinalizar todas as falas. Uma curiosidade é que, assim como o português, a LIBRAS também tem regionalismos e variações e por isso são contratados intérpretes locais.

Mais informações sobre o evento podem ser obtidas pelo telefone (94) 98112-1604.

“Qual Vai Ser?” – espetáculo teatral

Redenção: 06/11 – 20h – Paróquia Cristo Redentor

Marabá: 09/11 – 20h – Carajás Centro de Convenções

Paragominas: 12/11 – 20h – Teatro Municipal

*A circulação do espetáculo “Qual vai ser?” tem apresentações gratuitas e abertas ao público

Ficha técnica:

Elenco: Guadalupe Casal, Daniel Colin, Douglas Dias, Ursula Collischonn, Renata Teixeira, Dani Dutra, Juliana Kersting, Denis Gosch, Ricardo Zigomático, Qex Bittencourt / Texto: Dedé Ribeiro / Direção: Daniel Colin / Assistente de direção: Denis Gosch / Figurinos: Coca Serpa / Cenografia: Zao Figueiredo / Música: Dedé Ribeiro e Renato Mendonça / Produção executiva: Jack Garcia e Débora Maier / Sonorização: James Onzi / Iluminação: Casemiro Azevedo, Carlos Azevedo / Contrarregra: Luciano Correa / Audiodescrição: OVNI Acessibilidade Universal / Intérprete de LIBRAS: Micileia Loiola / Produção geral: Liga Produção Cultural

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,8 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.  

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

O Sicredi Centro Norte, composto pelos estados de Mato Grosso, Rondônia, Pará e Acre, tem cerca de 392 mil associados, com 166 agências em 138 municípios.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu