Publicidade

Pesquisa do Ibope pode ser impugnada pelo TRE

A advogada Angela Serra Sales protocolou ontem junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) representação em que pede a impugnação do registro de pesquisa de intenções de voto feita pelo Ibope e prevista para ser divulgada na tarde deste sábado. Na prática, se o registro for negado, o Instituto e a contratante – TV Liberal – não poderão fazer a divulgação dos resultados.
A expectativa é de que uma liminar seja concedida pela Justiça a qualquer momento. “A não concessão da liminar poderá gerar danos irreparáveis”, diz a advogada.

O pedido de liminar teve como base o fato de que o Ibope não apresentou ao TRE arquivo com detalhamento de bairros e municípios pesquisados. No material apresentado ao TRE, o Instituto resume-se a informar que “não há arquivo para detalhamento de bairros/municípios”. “Todas empresas anexaram as informações pertinentes, no campo do arquivo destinado ao detalhamento de bairros. A única empresa que não anexou foi o Ibope”, afirma Angela.

Saraiva publicidade

As irregularidades das pesquisas do Ibope no Pará já vinham sendo verificadas desde a pesquisa passada, registrada em 8 de setembro. No pedido de registro, dessa sondagem, o órgão informou que faria o levantamento das intenções de voto em 44 municípios, mas ouviu eleitores em apenas 17. Cidades como Marabá e Altamira que estavam na listagem entregue ao TRE não foram pesquisadas.

Também chama a atenção o fato de que ao definir a quantidade de questionários aplicados, o Ibope não seguiu a proporção em relação ao número de eleitores. Com 38,4 mil votantes, Salinópolis teve 120 questionários aplicados enquanto em Santarém, que tem 201,9 mil eleitores, foram apenas 56 questionários.

A pesquisa do dia 13 está sendo alvo de representação feita junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e também será objeto de notícia-crime ao Ministério Público Eleitoral. A Coligação “Todos pelo Pará”, encabeçada pelo candidato do PMDB ao Governo do Estado, Helder Barbalho, vai denunciar a existência de indícios de fraudes. “A manipulação de pesquisas é instrumento de quebra da lisura do processo eleitoral e de subversão da vontade do eleitor, podendo interferir fortemente nos resultados do processo eleitoral”, afirma Angela Sales.

Reportagem: Dol
Foto: Arquivo

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu