Publicidade

Polícia Militar planeja esquema de segurança durante as eleições

Os 306 policiais militares disponíveis para fazer a segurança nos quatro municípios circunscritos ao 23º Batalhão de Polícia Militar (BPM) vão reforçar também a segurança nos dias em que a população se envolve na disputa eleitoral para os cargos estaduais (deputado e governador) e para os cargos federais (deputado, senador e presidente da República).

De acordo com o comandante do 23º BPM, ten-cel. Wilson Moura, já foi feito um planejamento antecipado junto às comarcas onde o batalhão atende (Parauapebas, Curionópolis, Canaã dos Carajás e Eldorado do Carajás). Só em Parauapebas são 43 locais de votação. Vinte deles contarão com efetivo fixo de 40 policiais militares em cada turno, totalizando 80 militares exclusivos para este tipo de segurança, havendo revezamento de efetivo, um pela manhã outro pela tarde, ficando até o processo de apuração dos votos.


Nos demais locais de votação haverá a presença da Guarda Municipal, por onde a PM realizará rondas ostensivas, sempre mantendo contato com mesários e a justiça eleitoral, no sentido de evitar ou minimizar todo e qualquer tipo de ocorrência.

“Mas não faltará segurança para a população em situações diferentes do pleito eleitoral. Temos duas modalidades de policiamento: a pé, que ficará nos locais de votação; e o efetivo diário, que faz policiamento ostensivo em viaturas e continuará em sua rotina normal”, assegura o comandante militar, detalhando que no trabalho ostensivo estarão o GTO, a Rocam e outras viaturas.

De acordo ainda com o oficial da PM, não são apenas as forças policiais que fazem a segurança acontecer, chamando para a responsabilidade toda a população, que deve cumprir as regras já existentes como, por exemplo, não consumir bebida alcóolica no período previsto em lei; evitar aglomeração de pessoas nas proximidades dos locais de votação, o que pode caracterizar questão de boca de urna; não transportar eleitores; e os donos de veículos particulares clandestinos não se aproveitar da situação para ganhar dinheiro com transportes de passageiros, pois podem ser interpretados como benefícios oferecidos a eleitores. “É sempre bom exercer nossa cidadania de forma livre e espontânea, sem barganhas, pois isso poderá refletir em nosso futuro”, orienta Wilson Moura.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu