Publicidade

Projeto de educação ambiental é implantado na rede pública municipal de ensino

Um grupo de 31 coordenadores pedagógicos do 1° e 2° ciclos e técnicos da Secretaria Municipal de Educação (Semed) participou da primeira formação pedagógica para implantação do projeto de educação ambiental nas escolas. O projeto pedagógico tem como proposta fundamental a formação de cidadãos críticos e cientes de suas ações sociais e ambientais.

A formação, ministrada por integrantes do Centro de Educação Ambiental de Parauapebas (Ceap), ocorre em duas etapas: a primeira, nesta quinta-feira (7), no auditório do Parque Zoobotânico da Vale, e a segunda, com aula de campo, no dia 21 de maio.


“A ideia é tratar a temática da educação ambiental de forma transversal e interdisciplinar, assim como estimular a criação nas escolas da rede pública da Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida (Com-vida), responsável pela implantação de uma agenda 21 na unidade de ensino”, destaca, durante a formação, Carlos Augusto Garrido, responsável pelo projeto pedagógico.

Como a rede municipal conta com um número muito grande de professores, a proposta de trabalho é formar todos os coordenadores como multiplicadores do projeto e concluir a implantação até 2016. “Iniciamos com as equipes dos ciclos iniciais, porque acreditamos que nesta fase as crianças têm mais facilidade para absorver os conteúdos que serão trabalhados”, explica Carlos Augusto.

Escola referência

Parauapebas tem uma escola referência no que diz respeito ao trabalho de educação ambiental: a Paulo Freire, na zona rural, que implantou o Com-vida há cinco anos e colhe resultados positivos, de acordo com Carlos Augusto. Durante a formação, Odilene Costa, uma das facilitadoras, destacou a importância de priorizar a temática ambiental, “devido Parauapebas estar ao lado de uma unidade de conservação”.

Maria da Paixão, coordenadora pedagógica II e participante da formação, reclama que o meio ambiente ainda seja um assunto pouco trabalhado nas escolas, geralmente em disciplinas que naturalmente tratam do tema, como geografia e ciências. “Uma formação como esta colabora para o desenvolvimento da interdisciplinaridade do assunto”, acrescenta a coordenadora.

Reportagem: Karine Gomes
Foto: Felipe Borges

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu