Publicidade

REALIDADE CRUEL: Número de engenheiros diminui em 1.600; salários caem

O Brasil tem, atualmente, 3.489 engenheiros de minas no mercado formal (com carteira assinada ou vínculo estatutário no serviço público). É o quantitativo mais baixo desde o período do “boom” das commodities, em 2011.

Em 2012, o país chegou a ter um estoque de 5.088 engenheiros de minas ativo — ou seja, em cinco anos perdeu cerca de 1.600 profissionais, redução de praticamente um terço do estoque.

Saraiva publicidade

Com as demissões, ou para não ser demitido, os trabalhadores enfrentam novas situações para garantir o emprego, entre as quais a mais comum: a diminuição do salário e perda de benefícios.

Em 2017, a média de assinatura em carteira para engenheiros de minas variou bastante, notadamente pelo aumento da formalização de consultores horistas acompanhada da demissão de profissionais experientes com salários superiores a R$ 20 mil. Ainda assim, foi registrada a contratação de profissionais a peso de ouro, por até R$ 26.500 em Altamira (PA), assim como houve profissionais se sujeitando a receber R$ 1.200 por mês no interior do Ceará e do Maranhão.

No panorama estadual, a maior média ficou com São Paulo, no valor de R$ 13.639; a menor estava no Maranhão, com R$ 2.700. Aqui no Pará, a média salarial de novos empregados ficou em R$ 8.932,24, pouco acima da média de Minas Gerais, que ficou em R$ 8.872,39. Estados como Tocantins (R$ 4.400), Espírito Santo (R$ 4.465,14) e Rondônia (R$ 4.846,50) admitiram pagando menos que o piso recomendado pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea).

A perda de postos de trabalho de engenheiros de minas implicam, de maneira global, a diminuição de R$ 18,92 milhões em massa salarial.

Reportagem: Assopem

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu