Publicidade

Rompimento de barragem em MG deixa população em alerta em Parauapebas

O Corpo de Bombeiros afirmou que cerca de 200 pessoas estão desaparecidas após o rompimento da barragem 1 da Mina Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho, Minas Gerais, no início da tarde desta sexta-feira, 25.

A notícia do rompimento da barragem é destaque em grande parte dos veículos de comunicação do Brasil e deixou preocupados vários moradores de Parauapebas-PA, que conta com diversas operações da mineradora Vale e com barragens feitas em áreas de projetos minerais.

Saraiva publicidade

No ano de 2017, equipes da Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão (Semsi) e da Defesa Civil de Parauapebas estiveram na Serra dos Carajás, para conhecer de perto o sistema de segurança das barragens da Vale. Naquela oportunidade, as autoridades visitaram a Barragem do Gelado em uma das minas da região.

Naquele ano, a Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Parauapebas divulgou o seguinte texto aos profissionais de imprensa:

“Frente aos desastres ambientais provocados por rompimento de barragem, em região de exploração de minérios, o governo municipal considera importante manter a fiscalização nessas áreas, para garantir a segurança do meio ambiente e dos moradores que vivem no entorno. No fim de 2016, a Vale entregou à Prefeitura de Parauapebas o Plano de Atendimento a Emergência em Barragens de Mineração (Pabem). A visita faz parte de um cronograma de trabalho da empresa, com os órgãos técnicos, para ampliar o conhecimento e aprimorar o sistema de segurança das barragens”.

Sobre as barragens da Vale no Pará, a prefeitura de Parauapebas fez o seguinte posicionamento:

“As operações da Vale no Pará têm hoje dez barragens e sete diques cadastrados no Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Dessas estruturas, sete estão em Parauapebas, cinco em São Félix do Xingu, quatro em Marabá e uma em Canaã dos Carajás.
As barragens são classificadas seguindo dois critérios do DNPM: categoria de risco (CRI), associado à gestão, monitoramento e documentação e dano potencial associado ao meio ambiente, infraestrutura e populações próximas (DPA). Pela combinação entre categoria de risco e dano potencial associado, as barragens recebem uma classificação de “A” até “E”. Isso significa que uma barragem com baixo risco e baixo dano associado recebe a nota E, enquanto que uma com alto risco e alto dano recebe nota A”.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

Fechar Menu